Angola: Venâncio critica falta de democracia interna no MPLA

António Venâncio, militante do MPLA há 48 anos, decidiu recentemente que vai candidatar-se à presidência do partido no poder. Segundo o político, falta democracia interna. 

A cítica foi feita nesta terça-feira, 19 de outubro. Para Venâncio, a ausência de democracia interna é um obstáculo para haver melhor qualidade das decisões por parte dos líderes que não são eleitos em eleições disputadas com possibilidade de escolha entre “opiniões diferentes”

As declarações foram feitas aos jornalistas na altura em que apresentou a sua intenção de concorrer à presidência do MPLA no VIII Congresso, previsto para dezembro. O candidato considera que “a falta de democracia interna gera cenários de bajulação, nepotismo, idolatria ou endeusamento do líder”

“Muitos erros cometidos, e que ainda não foram corrigidos, poderão representar no futuro uma baixa ainda mais considerável dos níveis de aceitação do partido na sociedade”, concluiu. 

Para o visado, “o MPLA deixou de ser um partido marxista-leninista e enveredou por um novo caminho democrático, respeitando o direito dos militantes em elegerem e serem eleitos para cargos de direção, desde a base ao topo da organização, sem que para tal, beneficiem de privilégios especiais”

“O cargo de presidente do partido é uma oportunidade para obter a confiança da direção do partido para ser designado cabeça de lista e, uma vez vencidas as eleições, liderar o Governo e introduzir no país as reformas profundas previstas na moção de estratégia”, esclareceu. 

“O centro de ocupação dos cidadãos foi deslocado para a luta pelo poder, e com isso, o país saiu prejudicado”, prosseguiu, realçando que “a luta contra a corrupção precisa de uma nova visão de Estado”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

A recente demissão de Fernando Gomes das funções de Procurador-Geral da República (PGR) apanhou o país de surpresa, mas justifica-se…
ONU avisa que "colapso" financeiro do Afeganistão está próximo

ONU avisa que "colapso" financeiro do Afeganistão está próximo

A Organização das Nações Unidas (ONU) alerta, através de um relatório, que o “colapso do sistema bancário” do Afeganistão pode acontecer em…
Revista de Imprensa Lusófona de 23 de novembro de 2021

Revista de Imprensa Lusófona de 23 de novembro de 2021

A “Agência Brasil” refere que o “Senado faz debate sobre PEC [Proposta de Emenda à Constituição] dos Precatórios”. Já “O Globo” tem…
Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

O governo federal lançará um plano nacional de fertilizantes emdezembro, em meio à escalada dos preços desses produtos em todo omundo. O objetivo do conjunto de diretrizes é reduzir a extremadependência do Brasil de fornecedores internacionais. Em alguns casos,a importação chega a 95% do que o país consome, o que deixa oagronegócio, principal peso na balança comercial brasileira, muitosuscetível a crises internacionais, como a de agora.A meta, segundo o Ministério da Agricultura, é reduzir aparticipação estrangeira de, em média, 85% para algo em torno de 60%nos próximos 30 anos. Não resolverá a crise atual, que vai impactar asafra 2022/2023, mas pode minimizar futuros choques globais entre ofertae demanda.Os fertilizantes são compostos minerais usados para melhorar anutrição das plantas. “O solo brasileiro é naturalmente pobre emnutrientes e ácido, principalmente no Cerrado“, explica José CarlosPolidoro, pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de PesquisaAgropecuária) Solos.Os principais fertilizantes usados na agricultura são os do chamadogrupo NPK, em referência às letras que representam os elementos natabela periódica, em que N se refere aos nitrogenados (à base denitrogênio), P aos fosfatados (à base de fósforo), e K aos quecontêm potássio.Apesar de o lançamento coincidir com o agravamento da crise atual, elenão tem o objetivo de resolvê-la. “O plano não visava a uma açãoemergencial. É um plano estruturante, voltado para uma mudança depanorama em 30 anos, com ciclos. Começa com ações de curto até as delongo prazo“, disse Rangel.Carlos Vasconcelos – Correspondente
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin