Angola verifica condições do Registo Eleitoral em Portugal

O ministro da Administração do Território de Angola, Marcy Lopes, iniciou nesta segunda-feira, 18 de outubro, uma jornada de trabalho em Portugal para verificar as condições técnicas e logísticas para a efetivação do Registo Eleitoral Oficioso dos cidadãos angolanos residentes no território português

Neste âmbito, o governante irá visitar os consulados de Angola nas cidades de Lisboa e Porto, locais em que serão instalados os postos para o Registo Eleitoral Oficioso dos cidadãos angolanos residentes em Portugal. 

A agenda do ministro inclui igualmente a presença no início da formação dos técnicos da representação diplomática angolana, cuja função será garantir as operações do Registo Eleitoral. O começo do processo na diáspora está previsto para janeiro de 2022

Antes de concluir a jornada de trabalho em Portugal, Marcy Lopes participará ainda em encontros com a comunidade angolana que mora em Lisboa e no Porto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin