CPLP realça vantagens da presidência de Angola na comunidade

O secretário-executivo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), Zacarias da Costa, afirmou que a organização lusófona “não é passado, é futuro”, havendo “ainda muito caminho a percorrer e muito trabalho a desenvolver”. Um dos vários desafios da mesma a “curto prazo” é, salientou, avançar no acordo de mobilidade. 

Segundo a publicação “Ver Angola”, as declarações foram feitas durante um seminário internacional relacionado com os 25 anos da organização, promovido em Lisboa pelo Congresso brasileiro. 

“No caminho para o futuro, creio que são vários os desafios que interpelam a CPLP no curto prazo”, partilhou, entre os quais a promoção de “um quadro facilitador de cooperação económica e empresarial, nomeadamente a internacionalização das empresas, a proteção mútua de investimentos e o incremento das trocas comerciais”

Foram também referidos outros desafios, como o avanço “na implementação do acordo sobre a mobilidade”, uma proposta negociada pela presidência cabo-verdiana e aprovada na cimeira de chefes de Estado e de Governo da CPLP em julho, em Angola. 

A presidência rotativa de Angola abre-nos expectativas renovadas sobre a cooperação económica e empresarial”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin