Angola | Segurança

Desmantelada rede de raptores em Luanda

Com a libertação de Akbar Badat, com dupla nacionalidade, indiana e cabo-verdiana, e do empresário português António José de Sousa da Cruz, pelos agentes da DNIC [Direção Nacional de Investigação Criminal] permitiu aos Serviços Provinciais de Investigação Criminal (SPIC) desmantelar uma rede criminosa organizada, responsável pelo rapto de estrangeiros na capital angolana.

Segundo o diretor dos SPIC de Luanda, Amaro Neto, desde março de 2015, a organização criminosa terá raptado sete cidadãos, entre os quais Akbar Badat e António José de Sousa da Cruz.

Apesar dos raptores não terem oferecido qualquer resistência aos agentes da DNIC durante a operação para a libertação do refém cabo-verdiano e do português, foram apreendidas no local cinco metralhadoras AKM, 15 carregadores municiados e 10 milhões de kwanzas (54 mil euros) em dinheiro, assim como veículos utilizados nas ações de rapto.

Segundo a Polícia Nacional de Angola, a rede de raptores, que tinha como alvos preferenciais estrangeiros em Luanda, era composta por John Ikechukwu Njoku, conhecido por Patrick, 42 anos, comerciante, apontado como o estratega da rede, Isaac Koro, 32 anos, ambos nigerianos, e o congolês democrático Joaquim Miguel da Consta, 38 anos.

Akbar Badar, comerciante de 44 anos, foi raptado por cinco indivíduos munidos de metralhadoras por volta das 18h30 de 19 de setembro, no momento em que circulava no bairro Km 12-A, em Viana, e o português António da Cruz, 50 anos, administrador da empresa SIAP em Luanda, foi raptado pela mesma rede criminosa no dia seguinte.

Durante o período de cativeiro os raptores exigiram um resgate de três milhões de dólares para a libertação dos reféns, um valor que baixou para dois milhões e por fim para um milhão. Um montante que nunca foi pago.

“Ameaçaram-me, pediram-me dinheiro. Diziam que alguém me tinha mandado matar e para me deixarem com vida tinha de dar três milhões de dólares. Não me agrediram muito, não foram muito agressivos do ponto de vista físico”, disse António da Cruz, em declarações recolhidas e difundidas pela polícia angolana esta quinta-feira.

O aumento dos episódios de raptos de estrangeiros em Angola está a tornar-se alarmante sendo já um fenómeno que os serviços de segurança angolanos estão a prestar uma particular atenção. Na maior parte dos casos, os raptos de estrangeiros não são assinalados às autoridades, nem às representações diplomáticas, e a libertação dos reféns é negociada através de canais informais. Também, algumas organizações e empresas onde trabalham vítimas de rapto optam por absoluto sigilo sobre os episódios de raptos a fim de facilitar o processo negocial para a libertação dos reféns mas também para evitarem pôr em causa a imagem das suas organizações.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo