Governo Angolano usa Justiça para silenciar dissidentes em ano de crise

A Amnistia Internacional (AI) denuncia em relatório as restrições de liberdade de expressão, associação e livre associação por parte do governo angolano, que continua a usar a Justiça e outras instituições do estado para assim silenciar os que discordam da linha oficial do regime.

A denúncia agora divulgada pela AI sobre o agravamento das restrições à liberdade de imprensa em Angola deve-se essencialmente à crise Aeconómica, em especial durante o ano de 2016 que provocou o aumento dos preços dos alimentos e do combustível.

A AI lembra que o OGE angolano para 2017 sofreu uma redução de 20% devido sobretudo à queda do preço do preço do petróleo, facto que levou o Comité dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas revelar preocupação sobre as medidas agressivas tomadas pelo governo angolano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Angola mantém aposta na diplomacia económica

Angola mantém aposta na diplomacia económica

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, reiterou a aposta do Governo na promoção da diplomacia económica. O…
Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra ganha pela segunda vez concurso ERC

Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra ganha pela segunda vez concurso ERC

A Investigadora Principal do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES-UC), Ana Cristina Santos, acaba de ganhar um…
Cabo Verde: PR propõe fundos para autonomia dos municípios

Cabo Verde: PR propõe fundos para autonomia dos municípios

O Presidente da República de Cabo Verde, José Maria Neves, propõe a criação de um Fundo de Desenvolvimento Local e…
Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

O chefe da missão de observação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições presidenciais em Timor-Leste, o…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin