Angola: Presidente João Lourenço sob pressão

No seguimento das demonstrações de 24 de Outubro, em que foram detidos 103 manifestantes, actualmente a aguardar julgamento no Palácio de Justiça, Ana Joaquina, em Luanda, aguarda-se com expectativa redobrada o desfecho deste caso que é acompanhado com muito interesse pela sociedade angolana.

Os activistas não abandonam os seus pares que se encontram detidos tendo organizado uma manifestação à porta do Palácio de Justiça, não desmobilizando, apesar do aparato policial. Também, convocaram vigílias que se prolongarão até que os activistas sejam libertados. A próxima, é já hoje, pelas 18H00, junto ao Palácio Ana Joaquina.

De assinalar, que as vigílias contaram com a presença de artistas de renome como Yuri da Cunha e Preto Show, o que constitui uma novidade em Angola se tivermos em conta que muitos destes artistas sempre contaram com o apoio, a vários níveis, dos que outrora dirigiam o país e que agora se consideram injustiçados e perseguidos pela justiça, a quem o Presidente de Angola apelidou de Marimbondos.

Especula-se, agora, que os mesmos que auxiliaram estão agora a cobrar os favores antigos, com o intuito de pressionar o Presidente, aproveitando-se de uma conjuntura económica e social periclitante. Os artistas têm uma capacidade de mobilização notável, sendo por isso preocupante para os actuais detentores do poder a sua comparência neste tipo de eventos.

Constatou-se, igualmente, que segmentos da sociedade, designadamente da classe de advogados se mobilizaram oferecendo os seus serviços para defender em tribunal os activistas, demonstrando desta forma a sua solidariedade e procurando, simultaneamente, obter alguma notoriedade.

E, como não podia deixar de ser, a arqui-rival de João Lourenço, Isabel dos Santos, aproveitou para, através da rede Twitter, criticar o que o pai, enquanto Presidente negou durante quase 40 anos à população, a falta de liberdade de expressão e direito à manifestação.

Neste momento, a pressão vem da rua e igualmente dos activistas detidos que aproveitam para denunciar as péssimas condições de encarceramento e se recusam a ocupar as celas que o regime lhes atribuiu. Quanto mais tempo se arrastar esta situação, pior para o regime que não pode permitir-se demonstrar sinais de fraqueza, sob pena de claudicar perante uma multidão sequiosa de melhores dias.

Vicente Silva

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Teatro da Trindade estreia "Nuvem"

Teatro da Trindade estreia "Nuvem"

O espetáculo “Nuvem”, de Carlos Manuel Rodrigues, vencedor da 4ª Edição do Prémio Miguel Rovisco – Novos Textos Teatrais, estreia…
Cabo Verde: Edil da Câmara da Praia quer Polícia Municipal em 2023

Cabo Verde: Edil da Câmara da Praia quer Polícia Municipal em 2023

O presidente da Câmara Municipal da Praia (CMP), Francisco Carvalho, disse estar “expectante” com a implementação da Polícia Municipal em…
STP: 4 detidos morrem no quartel militar

STP: 4 detidos morrem no quartel militar

Quatro cidadão são-tomense que se encontravam detidos no quartel militar, depois da tentativa de invasão falhada, morreram na passada sexta-feira,…
Angola recebeu auxílio de USD 246 mil do Japão para desminagem

Angola recebeu auxílio de USD 246 mil do Japão para desminagem

O Governo japonês investiu mais de 246.900 dólares em ações de desminagem na província do Cuanza Sul, segundo o Embaixador do…