Angola

Serviço de Investigação Criminal angolano trava fraude multimilionária

O Serviço de Investigação Criminal de Angola avançou esta terça-feira a apreensão de um cheque, que aos autoridades desconfiam que pertence ao Bank of China Limited, com um valor de 99 mil milhões de dólares do Banco da China (Hong Kong) a favor da Centennial Energy Company, Limited, com sede nas Filipinas. Esta empresa serviria de base para operações de burla e crimes de falsificação de documentos, burla por defraudação, associação de malfeitores e branqueamento de capitais, escreve esta manhã o Jornal de Angola.

O chefe do Departamento Central da SIC, Tomás Agostinho, revelou à imprensa que estão envolvidos no caso três altos oficiais das Forças Armadas Angolanas.  No processo já se encontram detidos seis cidadãos estrangeiros e dois angolanos, acusados de todos estes crimes. Trata-se dos cidadãos tailandeses Raveeroj Rithchoteanan, Monthita Pribwai, Theera Buapeng e Manin Wanitchanon, do eritreu Haillé Isaac Million, do canadiano André Louis Roy e dos angolanos Celeste Marcelino de Brito António e Christian Albano de Lemos, avança o Jornal de Angola.

Os elementos da rede, que terão começado a desenvolver atividade criminosa em novembro de 2017, tentaram defraudar o Estado angolano, quando se diziam proprietários da empresa Centennial Energy Company, Limited, com sede nas Filipinas.

Relativamente ao cheque encontrado, será verificada a sua autenticidade junto do Banco da China, que tem uma sucursal em Hong Kong.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo