Brasil: Bolsonaro contesta urnas eleitorais e ministro determina investigação criminal

Às vésperas da primeira volta das eleições presidenciais, a realizar neste domingo (02/10), o Partido Liberal(PL),  partido do presidente Jair Bolsonaro, divulgou nesta quarta-feira (28/09), um relatório que contesta a segurança do sistema eleitoral do país. Imediatamente, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, divergiu do documento ao declarar que tais conclusões são “falsas e mentirosas” e determinou a apuramento da responsabilidade criminal dos seus idealizadores.

 O documento de duas páginas foi preparado no momento em que Bolsonaro elevou o tom das críticas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e tem reforçado, sem qualquer prova, questões sobre a segurança das urnas eletrónicas. Bolsonaro tem indicado que, caso não vença, deve contestar o resultado da votação.

Chamado de “Resultados da Auditoria de Conformidade do PL”, o relatório afirma haver um “quadro de atraso” no TSE em relação a “medidas de segurança da informação”, o que geraria “vulnerabilidades relevantes”. Segundo o documento, essas falhas podem “resultar em invasão interna ou externa nos sistemas eleitorais, com grave impacto nos resultados das eleições de outubro”. 

O TSE sempre rebateu a possibilidade de invasões, dizendo que as urnas eletrónicas não são ligadas à internet, tampouco são conectadas entre si, o que impossibilita qualquer intrusão interna por um hacker, por exemplo. A Corte ainda realizou uma série de testes de segurança nos últimos meses, inclusive com a participação de representantes do próprio PL, e nenhuma falha grave foi encontrada.

O presidente do TSE referiu em nota oficial que também determinou o envio do parecer produzido pelo PL à Corregedoria Geral Eleitoral “para instauração de procedimento administrativo e apuração de responsabilidade do Partido Liberal e seus dirigentes, em eventual desvio de finalidade na utilização de recursos do fundo partidário”.

Segundo a resposta da Corte, “as conclusões do documento intitulado ‘resultados da auditoria de conformidade do PL no TSE’ são falsas e mentirosas, sem nenhum amparo na realidade, reunindo informações fraudulentas e atentatórias ao Estado Democrático de Direito e ao Poder Judiciário, em especial a Justiça Eleitoral, em clara tentativa de embaraçar e tumultuar o curso natural do processo eleitoral”.

Carlos Vasconcelos – Correspondente 

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné Equatorial: Vice-presidente acusa Espanha de "humilhar" o país

Guiné Equatorial: Vice-presidente acusa Espanha de "humilhar" o país

O vice-presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Nguema Obiang, acusa a Espanha de “humilhar” e “desacreditar” o país depois de a…
Moçambique: Operação "Vulcão IV" decorre no distrito de Macomia

Moçambique: Operação "Vulcão IV" decorre no distrito de Macomia

As Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) informaram nesta terça-feira, 03 de janeiro, que está em curso a Operação…
Timor-Leste: Taxa de execução do OGE 2022 foi de 78,75%

Timor-Leste: Taxa de execução do OGE 2022 foi de 78,75%

O Governo de Timor-Leste executou em 2022 cerca de 78,75% do valor total do Orçamento Geral do Estado (OGE) desse…
Moçambique: Atraso de salários gera greve no município de Nacala

Moçambique: Atraso de salários gera greve no município de Nacala

Mais de setecentos funcionários e agentes do Estado afetos ao Conselho autárquico de Nacala, na província de Nampula, encontram-se em…