Brasil: Brasileiros deixam a Ucrânia enquanto o país discute situação agroalimentar

O governo brasileiro informou que a Embaixada do Brasil em Kiev “permanece aberta e dedicada, com prioridade, desde o agravamento das tensões, à proteção dos cerca de 500 cidadãos brasileiros na Ucrânia” e que esta instancia diplomática “vem renovando o cadastro dos brasileiros e tem-lhes transmitido orientações, por meio de mensagens no seu site (kiev.itamaraty.gov.br), na sua página no Facebook (https://www.facebook.com/Brasil.Ukraine) e num grupo da aplicação Telegram (https://t.me/s/embaixadabrasilkiev)”.

“Solicita-se aos cidadãos brasileiros em território ucraniano, em particular aos que se encontrem no Leste do país e outras regiões em condições de conflito, que mantenham contato diário com a Embaixada. Caso necessitem de auxílio para deixar a Ucrânia, devem seguir as orientações da Embaixada e, no caso dos residentes no Leste, deslocar-se para Kiev assim que as condições de segurança o permitam”, sublinhou esta Embaixada, que disse que está a disponibilizar, “para casos de emergência consular de brasileiros na Ucrânia e seus familiares, o número de telefone de plantão consular +55 61 98260-0610”.

Em solo brasileiro, muitos cidadãos deste país já regressaram em voos fretados pelo governo.

Discurso “radical”

A nossa reportagem conversou com alguns ucranianos nas últimas semanas que vivem no Brasil. Recentemente, encontramos um cidadão ucraniano que reside há muitos anos no Rio de Janeiro e que, sem querer se identificar, e de forma agressiva, disse “apoiar as ofensivas da Rússia sobre a Ucrânia”.

“Riscos” para o agronegócio brasileiro

Em nota enviada à nossa redação, a Associação Nacional para a Difusão de Adubos (ANDA) do Brasil lamentou o ataque da Rússia à Ucrânia e esclareceu que “ainda é cedo para analisar os impactos para o setor e para toda a cadeia alimentar diante das sanções internacionais”.

“A ANDA, neste momento, dedica a sua atenção ao possível risco de oferta de insumos para a produção de fertilizantes e impactos na cadeia de suprimentos internacionais, inclusive no Brasil, disse a Associação, que enfatizou “que acompanha e promove diálogos sobre o cenário geopolítico com os seus associados, setor agrícola, indústria, sociedade civil e, principalmente, o governo. Lembra que visita autoridades federais e formaliza uma série de sugestões para amenizar possíveis impactos ao setor, buscando manter o abastecimento dos fertilizantes, fundamentais para o agronegócio brasileiro”.

Neste mesmo documento, a ANDA diz “reconhecer os esforços do governo para atenuar gargalos” e garante que “acredita na diplomacia brasileira”.

“A entidade seguirá monitorizando, para avaliar quais serão os resultados concretos para o setor, buscando criar a melhores alternativas para se manter o abastecimento”, finalizou a ANDA.

Ígor Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

O ministro da Educação em Portugal, Tiago Brandão Rodrigues, reafirmou nesta sexta-feira, 11 de março, que as escolas portuguesas estão preparadas…
EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

Os Estados Unidos da América (EUA) e os aliados decidiram excluir a Rússia do regime recíproco normal que rege o…
Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que houve “certos desenvolvimentos positivos” nas conversações com a Ucrânia realizadas nesta sexta-feira,…
Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

O Xº Congresso do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) que deveria decorrer de 10 a…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin