Brasil: Guerra leva o país a escolher produzir fertilizantes em terras indígenas ou comprar do Irão 

A ministra da Agricultura do Brasil Tereza Cristina anunciou que vai apresentar um plano nacional para produção de fertilizantes no país, até o dia 17 de março.  O presidente Jair Bolsonaro procura meios de permitir a exploração do potássio localizado no interior da Amazónia. A proposta vem com um preço: as reservas ficam dentro de terras indígenas.

Os parlamentares brasileiros consideram que há urgência em adotar medidas que ajudem a reduzir a dependência do potássio estrangeiro, para a produção de fertilizantes, diante do risco de diminuição da oferta de fertilizantes, em razão da guerra entre a Rússia e a Ucrânia. A ministra revelou que o plano já era elaborado antes da crise de abastecimento, voltado para a produção de fertilizantes no Brasil. Apesar de apontar para a procura de novos fornecedores, como a Rússia, a chefe da pasta não indicou o que será feito para garantir a produção interna. 


O vice-líder do governo Evair Silva considera que a mineração nessas terras é um preço necessário. “A soberania brasileira passa pela produção de fertilizantes em território interno. O brasileiro pode escolher: ou passa fome, ou começa a extrair potássio nessas terras indígenas“, argumentou.


A abordagem não é bem vista pelo deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP), líder da Frente Parlamentar Ambientalista. “O que o governo quer é legalizar a mineração em terras indígenas. É uma pauta que o governo defende desde o começo. Agora, querem usar esse argumento, que é extremamente falho e falso”, afirmou. O parlamentar também aponta que, mesmo que seja legalizada a extração de potássio na Amazónia, as operações dificilmente teriam como começar em menos de um ano.


O líder do governo já levanta duas alternativas. A primeira delas, para lidar com a falta de fertilizantes provocada pela guerra, é estreitar laços com o Irão. “Tanto o Canadá quanto o Irão são países importantes nessa produção. O Irão tem muito interesse em importar produtos brasileiros, como a soja. Eles têm interesse em ampliar a agenda comercial com o Brasil, e são uma opção que o Brasil precisa procurar”.
Outra alternativa, para longo prazo, é o investimento em pesquisas. “Em tempo de escassez, precisamos investir na pesquisa agronômica para desenvolver novas variedades cultivares que tenham menor dependência desses fertilizantes. Isso não resolve a situação das próximas safras, mas pode solucionar a questão em poucos anos”, sugeriu.


Além da pesquisa relacionada aos produtos, Zé Silva também propõe que o governo invista em pesquisas de microorganismos de efeito semelhante. O deputado dá como exemplo um estudo concluído em 2021 pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). “Eles buscaram microorganismos nas raízes do mandacaru, uma planta da caatinga brasileira, que hoje é um produto biológico que aplicamos em cana e pastagens, que aumenta de quatro a cinco toneladas a colheita por hectar ao ano”, relembra.

Carlos Vasconcelos – Correspondente 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: exoneração de Membros do Governo

Moçambique: exoneração de Membros do Governo

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, no uso das competências que lhe são conferidas pela alínea a) do número…
Brasil não assina adesão à ação de 39 países contra o governo de Vladimir Putin 

Brasil não assina adesão à ação de 39 países contra o governo de Vladimir Putin 

O governo brasileiro não aderiu a uma ação de 39 países que solicitaram a abertura de investigações formais contra o…
Brasil vota nas Nações Unidas pela imediata retirada das tropas russas da Ucrânia 

Brasil vota nas Nações Unidas pela imediata retirada das tropas russas da Ucrânia 

A despeito da posição “neutra” declarada pelo presidente Jair Bolsonaro, o Brasil votou nesta quarta-feira (2) pela imediata retirada das…
São Tomé e Príncipe: Carlos Vila Nova acredita novos embaixadores

São Tomé e Príncipe: Carlos Vila Nova acredita novos embaixadores

O Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova acreditou esta terça-feira, no Palácio Presidencial quatro novos…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin