Brasil | Entrevista | Exclusivo

Brasil: “A China é a grande culpada e tem que pagar”, defende Eliézer Marins

O advogado tributário e especialista no mercado financeiro brasileiro, Eliézer Marins, conversou com o e-Global sobre a situação económica e política que o Brasil atravessa durante a pandemia da Covid-19.

e-Global: Enquanto especialista no mercado financeiro, como é que está a analisar, a nível mundial, toda esta situação complexa causada pela pandemia da Covid-19?

Eliézer Marins: A questão de analisar o Covid-19 a nível mundial… eu acho que não posso analisar isso sem trazer aqui a China. E quando eu falo China quero que você entenda que não tenho nada contra o povo chinês. Nada mesmo. Eles têm protestado lá dentro dos limites do comunismo em que vivem. Teve aquele protesto muito bonito em que até deixaram a ambulância passar… Mas quando eu falo da China refiro-me ao Partido Comunista Chinês.

Um especialista, em três anos de pesquisa, observou que a China estava emprestando dinheiro para alguns países. Dou aqui como exemplo o Sri Lanka, que pegou bilhões de dólares da China e construiu prédios, até mesmo arranha-céus, estradas, aeroportos com grande capacidade, portos… deram bom uso do dinheiro emprestado. Depois a conta chegou para pagar e aí o Sri Lanka não teve dinheiro para poder pagar à China. O que aconteceu com o contrato que se tinha é que o Sri Lanka tinha que passar o controle de tudo o que construiu, principalmente estradas, portos, aeroportos… para a China, em forma de pagamento.

Não sei como é aí em Portugal, mas nos Estados Unidos da América é muito normal você entrar na casa de uma pessoa, ou até mesmo na calçada, se você não limpa a sua calçada direito e se a pessoa se machuca, você é obrigada a indemnizar ela, pagar médico, tudo. Aqui no Brasil se você entrar em casa de uma pessoa e quebrar alguma coisa de valor, alguma obra de arte, você tem que pagar. Então a primeira análise que eu faço, a nível mundial, sem teoria da conspiração, porque tem nos históricos o que a China já vinha fazendo com empréstimos de dinheiro para vários países, o que se vê é que a China, independentemente de ter fabricado o vírus ou teoria da conspiração e tal… a verdade é que eles foram negligentes, certo? Totalmente negligentes. Já tem dados comprovados, que até a OMS [Organização Mundial da Saúde] teve que aceitar, que em outubro de 2019 (alguns falam de agosto) já tinha o vírus circulando na cidade de Wuhan e eles esconderam do mundo.

Na verdade, a análise que eu faço a nível mundial é que a China é a grande culpada e tem que pagar.

Você pode pensar que Trump [Presidente dos Estados Unidos da América] é maluco porque ele saiu da Organização Mundial da Saúde, mas como é que a gente tem uma Organização Mundial da Saúde que não responsabiliza aquela pessoa que causa o dano? Então se você causar o dano à empresa em que você trabalha tem que pagar, se eu caso um dano a alguém como advogado ou economista eu tenho que pagar… Na verdade, a análise que eu faço a nível mundial é que a China é a grande culpada e tem que pagar. Essa é a análise e ninguém está falando isso. É algo lógico, isso é óbvio.

Independentemente de a China não ter feito isso por querer, tem que pagar. É o chamado voltar ao ‘status quo’. Então, respondendo à sua pergunta aqui, essa situação complexa que você colocou aqui, causada pela pandemia da Covid-19, tem como grande responsável o Partido Comunista Chinês e ele tem que pagar. Agora… quem é que vai fazer eles pagarem? O Tribunal de Haia? A OMS? A ONU [Organização das Nações Unidas]? Já se mostraram covardes o suficiente para não conseguirem isso.

Existem vários alertas de que o mundo não está preparado para a crise económica que aí vem (dito também por António Guterres), com alguns a afirmarem que se trata da pior crise desde a Segunda Guerra Mundial (como disse a Angela Merkel, por exemplo) e outros a dizerem que será pior do que a Grande Depressão, ocorrida em 1929. Qual é a sua opinião?

Não conheço todos os especialistas… mas, por exemplo, o que a Angela Merkel [Chanceler Federal da Alemanha] falou é algo que o Bolsonaro também tem falado aqui. Porque, raciocina comigo… em 1929 as pessoas foram obrigadas a ficar em casa? É uma pergunta retórica. Em 1929 as pessoas foram obrigadas a ficar em casa? As pessoas têm que entender que o Estado não emprega pessoas, não gere renda. O Estado recebe renda de empresas, certos? Então, é claro que se continuar nesse ritmo desenfreado obrigando as pessoas a ficar em casa, essas pessoas que têm empresa não vão produzir, os que são empregados não vão trabalhar… e quem vai ter que pagar a conta é o Estado, certo?

Chega a uma hora em que o dinheiro do Estado vai acabar.

A crise de 2008 foi terrível para os americanos, para todos… mas alguém ficou obrigado a ficar em casa? Tem algum dado relevante…? Porque a OMS já disse que errou três ou quatro vezes nos dados que divulgaram, que o assintomático transmitia [a Covid-19] e agora já não e tal… Essa questão é muito lógica porque é claro que vai ser pior! Se as pessoas que trabalham não puderem ir trabalhar como é que elas vão fazer a máquina girar? Não tem como fazer a máquina girar, isso não existe. Nem precisa ser um economista bom para falar isso. É claro que vai ser pior, não tem como o empresário ficar em casa, o empregado ficar em casa… Chega a uma hora em que o dinheiro do Estado vai acabar.

Viste a União Soviética, viste Cuba, aqui do lado a Venezuela… porque é que a mídia esconde tanto isso? Aqui no Brasil, por causa dos governadores e não por causa do Presidente – se quiser mando filmar – há filas de pessoas para poderem comprar coisas… O povo está indo na rua pelas questões que o Bolsonaro tem implantado dinheiro, só ele, mas mandou fechar… não, não mandou fechar nada mas tem implantado dinheiro. Mas é filas e mais filas, e aí o governador de São Paulo, João Dória, excelentíssimo senhor super amigo do Partido Comunista Chinês… o prefeito Mário Covas abre o comércio dentro de quatro horas… eu tenho aqui foto para te mostrar. Se abre o comércio dentro de quatro horas na maior cidade da América Latina, vai fazer um acumulo maior de pessoas dentro de quatro horas. Mas eles são super inteligentes (estou a ser irónico), porque não pode abrir no horário normal que vai ter mais gente…

Então é óbvio que vai ser um problema maior. O problema é que nós não temos tendo líderes  realmente preocupados em corrigir isso. A OMS não está preocupada em corrigir. Eles querem o caos. O Partido Comunista Chinês está a criar o caos. Você tem o Trump tentando fazer alguma coisa, você tem o Bolsonaro tentando fazer alguma coisa… mas sozinhos não conseguem.

Então, respondendo aqui à sua pergunta, que já me alonguei, é claro que vai ser pior. Em 1929 não foram obrigados a ficar em casa, em 2008 o cara saiu, foi expulso da casa dele porque ele não conseguiu pagar, mas aí ele foi morar no trailer, se reinventou e seguiu a vida. Aqui as pessoas não estão podendo seguir a vida, não por ordem do Presidente da República [Jair Bolsonaro] e sim por ordem de governadores e de aberrações jurídicas do Supremo Tribunal Federal.

E quanto ao futuro do Brasil no pós-Covid-19, mais concretamente?

Hoje temos um Presidente que você pode falar qualquer coisa dele em termos de polémica, de tudo… mas você tem um Presidente que coloca pessoas nos cargos que realmente entende. Então vamos dar um exemplo mais concreto: Paulo Guedes, ministro da Economia, um cara extremamente inteligente. O Bolsonaro disponibilizou mais de um trilião de reais e se você tirar um trilião de um país… lembro que nos Estados Unidos o Trump tirou um trilião e já teve que fazer algumas coisas… mas concretamente no Brasil eu estou tranquilo, como advogado e empresário, na mão de quem está sendo administrado, certo? É essa a questão.

O Paulo Guedes recentemente fez o Brasil lucrar, no meio dessa pandemia, no negócio de alta e baixa do dólar, 500 biliões de reais. Então repito: 500 biliões de reais. Quando você tem a alta e tem a baixa, e na época o Brasil tem uma das maiores reservas de dólar do mundo, não sei se você tem essa informação… o Brasil inclusive está à frente da China, da Singapura, do México… com reservas de, salvo o engano, o último número que eu vi foi 352 biliões de dólares.

Então, respondendo concretamente à sua pergunta, o Brasil vai sair muito bem dessa. Vai sair melhor se a Polícia Federal, à qual eu tinha uma grande admiração, fizer o seu trabalho não correndo atrás do Presidente por ordem do Supremo Tribural Federal, mas correndo atrás de governadores, inclusive esse de São Paulo aqui [João Dória], que está superfaturando valores de materiais que precisam de ser comprados, como, por exemplo, respiradores [ventiladores]. Dória pagou um valor muito maior. Aí vai Wilson e vai para os governadores do nordeste. Então, respondendo à sua pergunta,  futuro do Brasil vai muito bem. Sem falar de reservas, que por questões de segredo de Estado, não pode ser aberto.

Porque o pessoal aí preocupado com a Amazónia no Brasil e tal, tudo mais, já tem estudos de que não é pela Amazónia e sim pelo que está por baixo do solo da Amazónia. Fora outras questões, como o Brasil ter a maior quantidade de água potável do mundo… O Brasil vai sair dessa muito bem porque nós temos um Presidente que… Eu falo que o Bolsonaro é um suicida. Nós temos um Presidente suicida. Mas porque ele é um Presidente suicida? Porque é uma pessoa que não pensa nem no seu próprio bem-estar. Ele pensa no bem estar do Brasil. Eu acho que eu e você normalmente pensamos no nosso bem-estar, no bem-estar dos nossos filhos… e costumo falar que amo o meu Presidente, mas ele é suicida. Porque ele está aí dando a cara ao tapa, enfrentando o Partido Comunista Chinês, George Soros e tal.

(…) eu acho que o Brasil vai sair financeiramente muito bem dessa questão da Covid-19, vai se recuperar em menos tempo do que se espera.

Concluindo a sua pergunta, eu acho que o Brasil vai sair financeiramente muito bem dessa questão da Covid-19, vai se recuperar em menos tempo do que se espera. E só não recupera mais rápido porque, infelizmente, nós temos mídia totalmente dominada pela esquerda, patrocinada por George Soros, patrocinada por Warren Buffett, e grandes empresários de direita brasileiros não colocam a mão no bolso para poder fazer o que esses camaradas fazem mas para poderem falar a verdade.

Não vou citar aqui nomes de bilionários brasileiros de direita, que não põem a mão no bolso. Porque esses comunistas têm um ideal. Eles colocam o quanto eles quiserem, eles mentem, matam crianças e fazem… buscando o seu objetivo. Mas o Brasil vai sair dessa crise por ter um Presidente honesto, vigilante, por ter Paulo Guedes, extremamente inteligente… então, qualquer prejuízo que venha a ser lançado vai ser solucionado por toda a equipe do governo.

O facto de o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, ser contra a quarentena está a causar várias opiniões divergentes, sendo comentada de forma maioritariamente negativa até mesmo no estrangeiro. Pensa que o país deve parar para travar o novo coronavírus ou que, se tal acontecer, as consequências serão ainda mais graves, tendo em conta as repercussões económicas?

A questão do Bolsonaro é que realmente ele peca em algumas colocações, o que acaba sendo entendido como falta de educação. Repito que ele é um suicida, até por esquecer da própria vida dele e se dedicar ao país. Mas o que o mundo precisa entender é que o Brasil é um país altamente corrupto. E você não muda isso em um ano ou dois. A nossa Constituição Federal, e eu sou advogado, ela não é presidencialista, certo? Tem a divisão dos poderes legislativo, executivo e judiciário. Todos esses poderes foram alimentados pela esquerda… Não estou dizendo que os ministros do Supremo Tribunal Federal são corruptos, ok? Mas estou falando simplesmente que eles foram constituídos por Presidentes de esquerda, diferente do que ocorre em outros países.

Os deputados e senadores eleitos são escolhidos por diversos estados. O Brasil é quase um continente, mais de 200 milhões de habitantes. Então o Bolsonaro, por ter brigado no início com o PSL [Partido Social Liberal], ele não observou que talvez não deveria ser hora de brigar e ele talvez não esperava ter que lidar com tanto caso de corrupção. Vou dar o exemplo de outros países, para não dizer que é só o Brasil: verba estatal da China irrigou grandes jornais dos Estados Unidos, uma matéria da semana passada. Quando mostram aquelas valas [nas televisões] em São Paulo, que tem mais de 14 milhões de habitantes, juntamente com arredores… aquela cena foi combinada. Quantas pessoas morrem numa cidade de 14 milhões de habitantes? Infelizmente, aquelas aberturas de valas são normais. Mas aí você, jornalista, sabe do negócio antigo “Bad news, good news [más notícias, boas notícias]”.

Estou querendo te falar, independentemente de ser contra ou a favor de Bolsonaro… você pega notícia de três dias atrás: “Polícia Federal apreende 50 mil reais na casa de Peter Cassol, secretário adjunto de gestão administrativa de Saúde no Pará. Então é muita a corrupção e, talvez, a minha opinião… não sou ninguém para dar opinião para o Bolsonaro… talvez… às vezes não é o que ele fala, é a forma como ele fala. Às vezes uma pessoa educada falando alguma coisa não cairia em descredibilidade, apesar de eu demonstrar aqui que o Bolsonaro tem razão em relação a essa questão de que parar, parar, parar, não está ligada com a saúde do povo. O Brasil foi sempre um caos na saúde, pessoas na fila, cenas tristes há décadas e décadas. Mas agora os governantes mudaram e estão preocupadinhos, é isso? Será que é isso mesmo?

Estima-se que, pelo menos, cerca de 60 milhões de brasileiros poderão ser prejudicados devido às medidas que visam travar a pandemia, o que aumentará bastante a pobreza no país, trazendo mais fome e conflitos devido às notáveis desigualdades sociais. Estas são estimativas exageradas ou trata-se de um cenário que o preocupa seriamente?

Pelos sistemas de informações que temos na minha empresa de consultoria, 60 milhões é um número demasiadamente exagerado. O Presidente da Caixa Económica Federal falou de 40 milhões de pessoas que seriam prejudicadas, mas não desempregadas, de acordo com as fontes. Agora sobre a questão do caos, da falta de emprego, uma vez que Estado não gera emprego… então se a empresa fechou não emprega e, se não emprega, não tem renda. Se não tem renda não tem salário e se não tem salário há essa roda que pára de girar.

Eu defendo o que o Bolsonaro fala, mas a mídia acaba levando ele como um maluco e cai em descredibilidade, compara ele a Trump e tal. Mas, talvez, eu sendo um humano e recebendo as pauladas que ele está recebendo, agiria da mesma forma. Eu acho que ele é uma pessoa que quer ver o bem do país, mas que deveria ser mais ponderado nas colocações. No entanto, em estudos que há na Internet, podemos ver que o Covid não foi o bicho de sete cabeças que foi implantado pela OMS no início. E até circulou na semana passada a imagem de um brasileiro mostrando que na sede da OMS as pessoas estão circulando normalmente.

O Bolsonaro tem uma mãe idosa, de 100 anos, e defende que as pessoas de risco fiquem em casa. E quem não corre o risco que vá trabalhar. Falando sobre maiores empregadores, os dados indicam que nos Estados Unidos da América 50% dos empregos encontram-se nas pequenas e médias empresas, e 64% dos novos empregos são gerados por elas. Vendo Portugal, é dito que no ano passado as PME [Pequenas e Médias Empresas] ostentavam o título de “espinha dorsal” ou de “pulmão” da economia, podendo ler-se que eram responsáveis por 68% do valor acrescentado e de mais de 77% dos postos de trabalho. Quanto ao Brasil, os maiores empregadores foram as micro e pequenas empresas, responsáveis por 75% do emprego gerado.

Quem puder faz o isolamento, o Bolsonaro não é contra. Mas quem não pode não faz.

Então, respondendo de forma rica à sua pergunta, essas empresas pequenas não têm o fluxo de dinheiro para se manterem fechadas. Aí vai abrir o caos. Eu moro aqui na cidade de Ribeirão Preto, no estado de São Paulo, e eu nunca vi o que estou vendo agora, um tanto de gente desempregada, pessoas fazendo cartazes na rua pedindo esmola. Então, aí você vai ter o quê, futuramente, se continuar essa situação? Dados indicam que mais de 600 mil empresas já fecharam no Brasil, faliram. E falindo muita gente vai para a rua e pode ir para a marginalidade. Quem puder faz o isolamento, o Bolsonaro não é contra. Mas quem não pode não faz. É a minha opinião.

Além dos problemas financeiros há a crescente instabilidade política que o Brasil atravessa. Que análise que faz em relação a esta junção quando pensa no futuro do país?

Na verdade não tenho essa preocupação. Quem está colocando essa preocupação, esse medo, é a mídia. No Brasil a mídia é patrocinada, e aí eu estou posso pegar dados ou basta entrar no próprio Instagram, na página do Presidente Bolsonaro, e vamos ver que a mídia deturpa, engana, com o objetivo de criar o caos. Então você tem a questão do pessoal do Partido Comunista Chinês, que comprou uma emissora chamada “Bandeirantes”, você tem a “Globo”, que é totalmente de esquerda, você tem a “CNN” que veio para o Brasil e que lá já nos Estados Unidos tinha toda uma linha ideológica de esquerda, a “Folha de S. Paulo”… Aí você soma o alcance dessas mídias de terror. Aqui se salva um pouco a rede “Record” e o “SBT”, que não têm o grande alcance que os outros têm. Quero agradecer mais uma você a você por ser uma jornalista corajosa, que hoje em dia é realmente difícil de ver.

Qual é a sua opinião acerca da visão do povo brasileiro em relação à crise económica que se está a instalar? Pensa que têm real noção do que se avizinha ou os problemas políticos estão a abafar este problema?

Eu acho que a mídia prejudica muito a visão do povo, mas a Internet trouxe uma liberdade para o povo brasileiro, com opiniões mais pautadas na realidade e não naquela máxima do “Bad news, good news”, só para conseguir audiência. Então o povo tem uma noção e eu digo mais… o povo sabe quem são os responsáveis pela desgraça que está acontecendo e pela possível desgraça que pode vir.

Hoje, no Brasil, as pessoas estão recebendo as informações e estão passando para os seus familiares. Então eles sabem que é o prefeito que mandou fechar, eles sabem que é o governador que mandou fechar. E eles também sabem que é o Bolsonaro que está dando a ajuda financeira, tanto 600 reais, que pode chegar até 1.800 reais por família, fora a questão de Bolsa Família e tal, como também a ajuda para as empresas. Eles sabem sim, mas a mídia está batalhando para colocar toda a culpa no Bolsonaro e ter ele como inimigo.

E considera que a comunicação social brasileira está a dar também a atenção merecida aos problemas financeiros que advêm das medidas para travar a Covid-19 ou que mantém sempre o foco nos temas relacionados com Bolsonaro, que na maior parte do tempo faz manchete?

Enfim… para não imaginar que é maldade deles [dos meios de comunicação], a gente centra na questão de “Bad news, good news”, seguida mundialmente pela imprensa, o que significa que quando você tem notícias ruins, você tem mais audiência, e se forem notícias boas você baixa. Mas, se quiser ter acesso às medidas tomadas pelo Governo, tem através dos canais oficiais, do Ministério da Economia, da Saúde… tanto por website ou até pelo Instagram e Twitter do Presidente.

Como vê, a nível do setor financeiro, a possibilidade da saída de Bolsonaro? O ‘impeachment’ seria a solução ou traria mais problemas?

A saída dele, na qual não acredito em hipótese alguma, seria um caos para o Brasil. Seria uma volta à esquerda, porque o que nós estamos vendo é o vice-presidente não dando tanto apoio como deveria dar, os líderes das Forças Armadas terem se mostrado com ideais comunistas…

Mas, falando em dados, em dezembro de 2019 a bolsa bateu outro recorde. Já tinha passado dos 100 mil e chegou a 112 mil pontos, o que é outra máxima histórica. Então se verificar isso de uma forma calma e estudar vai ver que a bolsa de valores, quando chegou a essa questão do Covid caiu e depois já está voltando à normalidade. Porquê? Porque os investidores querem e precisam de ter segurança. Eles sabem que com a equipe do Bolsonaro têm segurança. E com ‘impeachment’ não, o  ‘impeachment’ não.

O Bolsonaro pode correr esse risco de ‘impeachment’ pela questão legislativa, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal, mas na realidade, e é a minha opinião, falo que, com certeza, ele tem muita carta na manga para expor a podridão de muita gente. Então o ‘impeachment’ não rola. 

Receia que a situação política do Brasil afaste os investidores estrangeiros?

Isso aconteceu em março. Teve uma fuga em março, mas já está voltando à normalidade. Aconteceu lá em março como aconteceu na China também, nos Estados Unidos… mas já está voltando à normalidade, no sentido totalmente positivo.

Como observa, na prática, a relação Brasil-Portugal no setor económico? O que poderia ser feito entre os dois países para um apoio mútuo durante a crise que se avizinha?

Bom, sobre a questão dessa relação Brasil-Portugal o que posso dizer é que, na última pesquisa que eu fiz, há mais de 600 empresas portuguesas instaladas no Brasil. E os empresários portugueses têm demonstrado satisfação, tanto que têm interesse em investir no Brasil com projetos de infraestruturas.

Quanto aos investimentos dos brasileiros em Portugal, estes têm também aumentado significativamente. O último dado que vi é de que chegam a 3.2 biliões de euros, um crescimento de 5 por cento (%). O Brasil hoje, enquanto parceiro de Portugal… o Governo português apoia o acordo de livre comércio na questão de MERCOSUL [Mercado Comum do Sul] e União Europeia, que estava em alta antes disso tudo [da pandemia da Covid-19]… essas questões são bem bilaterais.

E eu acho que com essa questão da Covid tem que aumentar mais a relação com o nosso país irmão. Mas tem aumentado, pelo que vi de informação oficial está muito boa.

E a nível da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)?

Eu, particularmente, acho que o Brasil e Portugal têm que ajudar mais os restantes países da CPLP, dentro das possibilidades. E não só os países de língua portuguesa, mas todos… só que dentro das possibilidades, óbvio.

© e-Global Notícias em Português
1 Comentário

1 Comentário

  1. António Gonçalves

    18/06/2020 at 17:03

    Delírios!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo