Brasil: Dilma Rousseff vai chefiar banco de desenvolvimento dos BRICS em Xangai 

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff, destituída do cargo por impeachment em 2016, será a presidente do banco de desenvolvimento dos BRICS.

Não é mais uma possibilidade, mas uma certeza: por indicação do governo Lula, Dilma Rousseff presidirá o Banco dos Brics, instituição criada em 2014 e que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. 

O Brasil já tem a aprovação dos países membros e o governo já acertou com o representante brasileiro na instituição, Marcos Troyjo, a sua saída do cargo, já este mês. Lula quer que Dilma já esteja como presidente do banco quando ele visitar a China, em março. 

A proposta de criação do banco foi feita pela própria Dilma, quando ainda era presidente da República.
A ex-presidente vai morar em Xangai e comandará o banco até 2025.

Por sua vez, Troyjo​​​​​​​ já foi convidado por Tarcísio de Freitas para ocupar um cargo no governo de São Paulo.

Carlos Vasconcelos – Correspondente 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Macau: Região vai receber cinco modalidades dos Jogos Nacionais da China em 2025

Macau: Região vai receber cinco modalidades dos Jogos Nacionais da China em 2025

A comissão organizadora da 15ª edição dos Jogos Nacionais anunciou que a Região Administrativa Especial de Macau vai acolher as…
Moçambique: MDM continua sem data para realizar o Conselho Nacional

Moçambique: MDM continua sem data para realizar o Conselho Nacional

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM) ainda não marcou uma data para realizar o Conselho Nacional. No entanto, o partido…
Universidades vão ter “semestre zero” para alunos dos PALOP

Universidades vão ter “semestre zero” para alunos dos PALOP

O estudo “Perfil do Estudante dos PALOP nas Instituições do Ensino Superior em Portugal: caracterização, expectativas, constrangimentos”, realizado pelo Centro…
Angola poupa 15 milhões de euros ao reduzir contratos de professores estrangeiros

Angola poupa 15 milhões de euros ao reduzir contratos de professores estrangeiros

O Ministério do Ensino Superior de Angola informou que o Governo vai poupar, em 2024, cerca de 15 milhões de…