Brasil: Governo decide privatizar reservas e parques ecológicos por determinação do presidente Bolsonaro

O governo federal incluiu cinco unidades de conservação ambientais no Programa Nacional de Desestatização (PND) e no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). O decreto foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (8).

Assinada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a determinação qualifica os parques nacionais para fins de concessão. As empresas que ganharem o leilão serão contratadas para prestação dos serviços de apoio à visitação, com previsão do custeio de ações de apoio à conservação, à proteção e à gestão.

Integram a lista:

Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba (RJ);
Parque Nacional da Serra da Canastra (MG);
Parque Nacional da Serra do Cipó (MG);
Parque Nacional de Caparaó (MG e ES);
Floresta Nacional de Ipanema (SP).

Para André Lima, ambientalista e membro do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), “terceirizar ou conceder gestão das unidades de conservação não é em si o problema”. Ele destaca que a desestatização pode trazer desenvolvimento para as regiões e populações onde estão localizados as áreas de proteção.

“Acho que em muitos casos pode ser um estímulo à geração de emprego, renda, de riqueza para região, melhor uso das áreas”, avalia. Ele, porém, faz uma ressalva : “Desde que seja feito com transparência, controle social, e que viabilize o uso pela população local, não pode elitizar essas unidades de conservação”.

O especialista destaca ainda que uma das preocupações pode ser a transferência de responsabilidade do governo federal para a empresa ganhadora do leilão das questões que tratam da proteção ambiental dessas áreas, bem como a manutenção a longo prazo do recurso para que a concessionada cumpra o compromisso.

“O que preocupa é a manutenção dos investimentos pelo governo federal na proteção e conservação dessa área. A proteção e conservação dessas unidades de conservação, sejam elas parques nacionais ou florestas nacionais, ou as unidades de conservação de proteção integral ou uso sustentável, a responsabilidade é do poder público, de proteger essas áreas. Isso não pode ser terceirizado”.

Carlos Vasconcelos – Correspondente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin