Brasil/África : Com Bolsonaro a “política externa brasileira para África sofrerá uma rutura radical”

Os dois candidatos presentes na segunda volta das eleições presidenciais no Brasil, Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, pouco abordaram nos seus programas a questão das relações internacionais e particularmente do que poderá vir a ser a postura do Brasil em relação aos países da lusofonia.

O autor do livro “As políticas externas brasileira e chinesa para a Guiné-Bissau em Abordagem comparada (1974-2014)”, Timóteo Saba M’bunde, natural da Guiné-Bissau, mestre e doutorando em Ciência Política no Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Rio de Janeiro, considera que, sendo confirmada a vitória na segunda volta do candidato Jair Bolsonaro, a “política externa brasileira para África sofrerá uma rutura radical”.

Para Timóteo Saba M’bunde nas relações externas “aquilo que foi construído durante os governos do Partido dos Trabalhadores (PT)”, no cenário de uma vitória de Jair Bolsonaro, “sofrerá mudanças radicais e África deixará de ser uma prioridade” para o Brasil assim como “poderão ser retiradas muitas embaixadas”.

“Jair Bolsonaro pretende uma inserção muito mais voltada para a Europa e sobretudo para os Estado Unidos. África não será uma prioridade”, considera Timóteo Saba M’bunde.

Com a eventual vitória de Fernando Haddad, Timóteo Saba M’bunde acredita que “haverá a continuidade, sem mudanças significativas” nas políticas brasileiras para África. “No entanto acredito que ocorram alguns ajustes”, considera o mesmo analista que lembra que já com Dilma Rousseff a “abordagem brasileira em África sofreu uma redução quantitativa”. Mesmo assim Timóteo Saba M’bunde defende que “com Haddad a África continuará a ser uma prioridade da política externa brasileira”.

A “mudança radical” nas relações com África que poderá acontecer com a eventual presidência de Jair Bolsonaro “não irá afetar significativamente os países lusófonos” considera Timóteo Saba M’bunde. O Brasil poderá “reduzir na cooperação” mas não irá diminuir o número de representações diplomáticas nos países de expressão portuguesa em África, considera. “Em outras regiões do continente africano acredito que vamos assistir a uma retirada significativa de embaixadas brasileiras”, ressalva.

A implicação do Brasil no espaço lusófono como aconteceu durante as presidências de Lula da Silva “não voltará a acontecer”

Timóteo Saba M’bunde diz que a Guiné-Bissau poderá vir a sentir os efeitos de uma possível mudança da estratégia da política externa brasileira com Jair Bolsonaro na presidência. “Ao longo dos últimos anos o Governo brasileiro encarava a Guiné-Bissau como um laboratório da sua política Sul-Sul. O Brasil chegou a colocar a Guiné-Bissau no mesmo patamar da ação brasileira no Haiti, no quadro da missão da ONU”, explica Timóteo Saba M’bunde.

“Esta situação poderá mudar, com cortes significativos nos recursos da cooperação que a Guiné-Bissau tem beneficiado do Brasil nos últimos anos, e que terá efeitos na atribuição de bolsas de estudo, mas também nos projetos formação profissionalizante que o Brasil tem no país”. Timóteo Saba M’bunde diz que se estes projetos “não forem extintos”, vão sofrer reduções significativas.

“Os países que têm pouco a dar ao Brasil, em termos de recursos naturais, tais como a Guiné-Bissau e Cabo Verde”, são encarados por Jair Bolsonaro como “uma perda de tempo. Justificando assim a redução do engajamento brasileiro”.

Acreditando que não será posta em causa a permanência do Brasil na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Timóteo Saba M’bunde diz que “poderá ocorrer uma retração do Brasil na organização”, e “pondo um pouco de lado o seu engajamento na CPLP”. Para Timóteo Saba M’bunde, a implicação do Brasil no espaço lusófono como aconteceu durante as presidências de Lula da Silva “não voltará a acontecer”, seja Jair Bolsonaro presidente ou Fernando Haddad.

RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: Dívida interna sofre aumento de quase 14%

Cabo Verde: Dívida interna sofre aumento de quase 14%

A dívida interna de Cabo Verde subiu 13,8% desde o início de 2021. Esta percentagem representa 95.949 milhões de escudos, de acordo com o mais recente…
Angola e Áustria assinalam 40 anos de cooperação

Angola e Áustria assinalam 40 anos de cooperação

Angola e Áustria celebraram em Viena, capital austríaca, o 40º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre ambos os países. O evento contou com a…
Investigadores desenvolvem técnica inovadora que alivia a dor sem efeitos colaterais

Investigadores desenvolvem técnica inovadora que alivia a dor sem efeitos colaterais

Investigadores desenvolveram um método de estimulação completamente novo, usando microeletrodos ultrafinos, para combater a dor intensa. Esta técnica proporciona um…
Timor-Leste acolhe na próxima semana observadores da UE para eleições

Timor-Leste acolhe na próxima semana observadores da UE para eleições

O Diretor-Geral do Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) de Timor-Leste, Acilino Branco, declarou que uma delegação da União Europeia…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin