Floresta amazónica foi desmatada em mais de 10 mil quilómetros quadrados, sendo a maior dos últimos 14 anos

A Instituto Imazon anunciou nesta segunda-feira (17) que a área de Floresta Amazónica desmatada em 2021 foi a maior dos últimos 14 anos. Desde 2018 o desmatamento tem vindo a aumentar, em 2021 a área desmatada aumentou 29% em relação a 2020. Em apenas um ano, foram perdidos 10.362 km² de floresta nativa, uma área equivalente à metade do território de Sergipe.

A organização não governamental Imazon começou a usar informações de satélite para medir o desmatamento da floresta em 2008. “A gente tem observado alguns fatores, que inclui a redução na fiscalização, principalmente pelo Ibama, que vem desde 2019. Tem também a aplicação de sanções administrativas pelo Ibama, que vem reduzindo. Isso cria um efeito de impunidade”, afirma Carlos Souza Júnior, pesquisador o Imazon.

Quase metade do desmatamento ocorreu em florestas federais, a destruição também avançou em unidades de conservação estaduais e federais. Essas áreas tinham sido criadas para a preservar a biodiversidade e os modos de vida de comunidades locais. “Existe pressão já no Congresso para a redução de áreas protegidas e, também, existe uma pressão para o garimpo, para atividade madeireira nesses territórios que não são permitidas por lei.”

Dos nove estados da Amazônia Legal, só o Amapá reduziu a destruição da floresta em 2021. O Amazonas, em termos percentuais, foi o estado em que o desmatamento mais subiu de um ano para o outro: 48%.

O Pará continua a ser o lugar onde mais se destrói a floresta, quase 40% da área perdida em 2021 pertence a este Estado. Em nota, a Secretaria de Meio Ambiente do Pará afirmou que o estado reduziu o desmatamento em 7 dos 12 meses de 2021 nas áreas sob responsabilidade estadual.

O Ministério do Meio Ambiente disse que as ações integradas entre órgãos federais estão a reduzir os crimes ambientais, e que, desde agosto de 2021, os alertas de desmatamento na região amazónica caíram mais de 15% – quando comparados a igual período de 2020, segundo acompanhamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O governo do Amazonas declarou que apenas 5% dos alertas de desmatamento ocorreram em terras estaduais e que trabalha para melhorar a fiscalização e aumentar as alternativas.

Carlos Vasconcelos – Correspondente

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

África do Sul trava entrada ilegal de moçambicanos no país

África do Sul trava entrada ilegal de moçambicanos no país

As autoridades sul-africanas impediram a entrada ilegal de 40 moçambicanos no seu território, por ocasião do regresso de várias pessoas…
Comissão Mista Angola-Brasil reúne-se entre março e abril

Comissão Mista Angola-Brasil reúne-se entre março e abril

A Comissão Mista Angola-Brasil vai reunir-se entre março e abril para impulsionar as relações de cooperação bilateral.  Esta foi uma…
Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

O Presidente da República de Timor-Leste, José Ramos-Horta, partilhou publicamente que o Brasil pode apoiar o seu país a tornar-se…
Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Os deputados do PAICV eleitos por Santo Antão alertaram nesta quinta-feira, 05 de janeiro, para a situação de abandono da…