ONU: Bolsonaro insiste em tratamento precoce para controlar a covid e isola-se cada vez mais

No discurso na Organização das Nações Unidas (ONU), na abertura da 76a. Assembleia Geral da entidade, em Nova York, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro voltou a insistir na defesa dos seus posicionamentos, que diferem da maioria do planeta, sobre a pandemia da covid-19.

Bolsonaro defendeu o tratamento precoce da covid com medicamentos que não têm eficácia comprovada. Disse que ele mesmo – que não tomou vacina – fez uso de tais medicamentos. E criticou os países e a media que pregam contra tal tratamento precoce. Criticou ainda as medidas de isolamento social, às quais atribuiu o crescimento da inflação em todo o mundo.

Na verdade, como mostra estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil é o que terá a terceira maior inflação em 2021. Países que fizeram isolamento social mais rigoroso e já vacinaram a maior parte da sua população, como Portugal, hoje já vivem vidas muito próximas da normalidade.

A despeito de tudo isso, Bolsonaro disse no início do seu discurso que mostraria ali um “Brasil diferente daquilo que é publicado nos jornais e TVs”. Discorreu que há dois anos e dois meses não há um caso concreto de corrupção anotado. Disse que quando assumiu, o país estava “à beira do socialismo”, que as em empresas estatais davam prejuízo e que os bancos de desenvolvimento emprestavam dinheiro a “países comunistas”.

Falou também dos programas de parceria com a iniciativa privada que estão a ser desenvolvidos, nomeadamente, mencionou as parcerias em ferrovias, que estão a provocar o “ressurgimento do modal ferroviário”. Mencionou o maior leilão da história na área de saneamento básico no Rio de Janeiro, “temos tudo o que o investidor estrangeiro necessita”, assegurou.

O presidente falou ainda da agricultura e do meio ambiente. Disse que o Brasil tem uma “agricultura moderna e de baixo carbono”. Mencionou a legislação ambiental e que as populações indígenas ocupam uma área equivalente ao território da Alemanha e França juntos, referindo que tais populações, no seu entendimento, querem produzir com investimentos em agricultura.

Carlos Vasconcelos- Correspondente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Mercados voláteis de energia vieram para ficar, alerta Agência Internacional de Energia

Mercados voláteis de energia vieram para ficar, alerta Agência Internacional de Energia

Os preços da energia em todo o mundo atingiram níveis recordes com uma crise de energia que atinge a Europa…
Cabo Verde: Neves liga Veiga a "movimentos extremistas"

Cabo Verde: Neves liga Veiga a "movimentos extremistas"

O candidato presidencial José Maria Neves voltou a afirmar que o rival Carlos Veiga tem ligação a “movimentos extremistas”. Como tal, considera…
Programa "Detetives das Emoções" ajuda a combater a ansiedade e depressão em crianças

Programa "Detetives das Emoções" ajuda a combater a ansiedade e depressão em crianças

Um estudo piloto realizado por uma equipa da Universidade de Coimbra (UC), indica que o programa de intervenção psicológica vulgarmente…
Estudantes de jornalismo com motivações altas e expectativas baixas sobre o seu futuro profissional

Estudantes de jornalismo com motivações altas e expectativas baixas sobre o seu futuro profissional

Uma grande percentagem dos alunos que frequentam os cursos de jornalismo e comunicação em Portugal não acredita na possibilidade de…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin