Psicólogos luso-brasileiros vincam a importância do “fator psicológico” na retoma das atividades presenciais nas empresas

No retorno às atividades presenciais, tendo em vista este novo momento da pandemia de Covid-19, as empresas contam com grandes desafios que necessitam de decisões urgentes e necessárias. Gestores, líderes e equipas de trabalho questionam-se: como serão os próximos dias? Qual será o futuro dos nossos postos de trabalho? Existem garantias sobre o nosso futuro profissional?

A nossa reportagem conversou com profissionais do ramo da psicologia no Brasil e em Portugal que sublinharam a importância e o papel da saúde mental dos funcionários e trabalhadores para que as empresas alcancem os seus objetivos de forma saudável e sólida. Afinal, o que a psicologia é capaz de nos dizer sobre todo esse processo de retomada das atividades presenciais e sobre a adequação à essa “nova normalidade”? E de que forma a saúde psicológica pode afetar o desempenho dos trabalhadores?

Na opinião de Gloria Gonçalves, psicóloga clínica, com atuação em Portugal, “esta fase atual mostra de forma clara a importância das ciências psicológicas e a necessidade de olharmos com seriedade para a nossa saúde mental”.

“A imposição do confinamento, assim como as notícias veiculadas relacionadas à rápida propagação da doença e a divulgação dos números relacionados com a elevada letalidade do vírus causaram níveis elevados de ansiedade e o desencadeamento de problemas psicológicos na maior parte da população. O ser humano do século XXI desenvolveu, através dos últimos anos, onde o avanço científico foi inequivocamente a grande marca do progresso, a crença numa certa omnipotência, onde acredita que domina qualquer dificuldade que possa evidenciar algum perigo, a crença onde tudo é dado como certo para garantir o seu bem-estar. O confinamento, desconhecimento de como o vírus se comporta, a impotência da ciência em disponibilizar uma vacina ou medicamento para a doença, a incerteza do impacto económico no país foram variáveis que colocaram à prova esta crença construída e que foi apropriada por todos nós”, confirma esta psicóloga, que sublinha ainda que, “atualmente, muitos profissionais apontam a falta de resiliência como um dos principais fatores desencadeantes dos problemas psicológicos apresentados pela população durante o confinamento, entretanto, como psicóloga, verifico na população que atendo que, apesar de inicialmente as pessoas terem sentido o impacto na alteração das suas rotinas, possuíam recursos e mostraram-se resilientes na adaptação e gestão das necessidades que o surgimento da Covid-19 impôs-nos”.

“Foi criada uma ilusão de que quando saíssemos do confinamento voltaríamos à normalidade. A fase de desconfinamento chegou, porém, a maioria das pessoas começa a perceber que a normalidade que conheciam e que desejavam já não existe, as incertezas persistem e tomam contato com uma necessidade interna de se reinventar, seja profissionalmente ou individualmente”, avalia Gloria Gonçalves, que revela que está a receber no seu consultório “um grande número de pessoas, principalmente as que chegam pela primeira vez, que procuram ajuda por se sentirem em estado depressivo, questionam sobre conhecimentos, capacidades e atitudes que outrora faziam-lhe sentido e que, neste momento, percebem que têm de buscar novos valores que norteiem as suas vidas”.

Ainda segundo esta profissional, as empresas precisam estar atentas aos seus funcionários e a forma como se sentem.

“É importante que os colaboradores em concordância com as empresas sejam corresponsáveis em garantir o bem-estar físico (tomando as medidas e procedimentos necessários impostos pelas organizações competentes) e o bem-estar emocional (procurando ajuda profissional caso haja necessidade e promovendo um ambiente saudável). Perante este cenário que nos é apresentado, de nada adiantam os comportamentos derrotistas ou críticos direcionados a tudo que é externo à sua responsabilidade. Urge, sim, a necessidade dos gestores das empresas, assim como os restantes colaboradores, procurarem ter atitudes que visem à força da positividade e da cooperação”, elenca esta psicóloga, que destaca, porém, que os empregadores “devem ter em atenção o estado psíquico dos seus colaboradores, pois, todos nós, como seres humanos da era moderna, temos uma necessidade interna de controlo sobre o que ocorre a nossa volta”.

Mas de que forma as competências desses profissionais devem ser trabalhadas num mundo “pós-quarentena”? Gloria Gonçalves sugere algumas maneiras.

“O desenvolvimento de competências e de conhecimentos tem sido o foco dos recursos humanos das empresas, porém, se este investimento, que é feito a nível de formação, não se refletir em atitudes, não podemos considerar, tendo como base o comportamento dos seus colaboradores, que a empresa está a ser bem sucedida. Hoje, quando fala-se em Empresas Positivas, a base de trabalho centra-se na mudança de atitudes, na mudança de valores e crenças. A aprendizagem que a Covid-19 trouxe-nos foi a necessidade de mudança de valores porque esta experiência mostrou-nos que nada é garantido, que a nossa omnipotência é questionável. Neste momento, as empresas devem responsabilizar-se e preparar-se de forma consciente e humanizada para as mudanças de aprendizagem que esta pandemia trouxe, como a necessidade de desenvolver e/ou reforçar as nossas forças pessoais para que possam refletir-se em atitudes positivas”, reitera Gonçalves, que aproveita para deixar uma mensagem para empregadores, funcionários e colaboradores.

“O momento não pede que recuemos, o momento pede-nos novas adaptações, novos questionamentos, é uma espécie de transcendência na forma de viver. Considero que vivemos uma fase de novas adaptações, nada ficou garantido, nada ficará garantido, não irá ser fácil a adaptação a todas as modificações que estão a ser impostas na nossa vida devido à Covid-19, não podemos esquecer nem descurar da nossa responsabilidade de seguir as orientações das autoridades nesta fase de desconfinamento. Respeitar as formas de combater este vírus é vital para a manutenção da saúde pública na sociedade. Continuar confinados poderá conter a propagação do vírus, mas irá agravar muitos outros problemas de ordem social”, termina esta profissional.

 

“Ambiente saudável dentro da empresa”

Para Fabiano de Abreu, neuropsicólogo e neurocientista, que atua no Brasil e em Portugal, pressionar, neste momento, os funcionários para que alcancem metas é uma ação não recomendada do ponto de vista psicológico e de produção.

“A empresa deve estar bem sintoniza de maneira a não sobrecarregar um só setor e para que possa adaptar-se à essa nova realidade, que deve levar em consideração o fator psicológico. As pessoas estão saturadas e podem vir a sofrer uma pressão maior para as metas. A pessoa que pressiona, e que está num nível hierárquico maior, tem de ter a consciência de que utilizar a pressão num momento em que já existe uma certa pressão não vai mudar o parâmetro da empresa. O ambiente externo já causou uma pressão nos funcionários, que estão receosos com o futuro, e o receio ativa a ansiedade, que ativa o stresse. Se as empresas depositarem os problemas económicos e o medo nos seus funcionários irão afetar ainda mais as suas produções. Os funcionários não irão suportar mais essa pressão. É preciso criar um ambiente saudável dentro da empresa para que os empregados tenham a motivação necessária para produzir o suficiente para que a empresa possa sair dessa situação negativa. Na minha empresa, digo sempre que não é momento para crescer, mas sim de nos manter saudáveis”, refere Fabiano de Abreu, que defende que é preciso também apostar na tecnologia para enfrentar esse cenário menos positivo em termos económicos e psicológicos.

“Portugal deve apostar mais na tecnologia. Muitas empresas não estão ainda presentes na Internet. Este é o momento de as empresas pensarem na questão tecnológica como um dos meios para poderem superar a crise. As pessoas estão mais adaptadas ao mundo on-line, então, é preciso apostar em produtos e meios dentro dessa condição”, atesta Fabiano de Abreu.

Ígor Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: Prejuízos da Electra totalizam 505 milhões de escudos

Cabo Verde: Prejuízos da Electra totalizam 505 milhões de escudos

Os prejuízos do grupo estatal cabo-verdiano Electra, de produção de eletricidade e água, subiram significativamente em 2020, para 505 milhões…
Angola: Covid-19 condiciona concessão de vistos para Portugal

Angola: Covid-19 condiciona concessão de vistos para Portugal

A pandemia da Covid-19 é apontada como a causadora da demora existente na concessão de vistos para o território português,…
Moçambique: Terrorismo já custou  240 milhões de meticais à EDM

Moçambique: Terrorismo já custou 240 milhões de meticais à EDM

A Electricidade de Moçambique (EDM) já sofreu um prejuízo de cerca de 240 milhões de meticais (aproximadamente três milhões de…
Qualidade do ar no local de trabalho pode afetar a cognição e a produtividade dos funcionários

Qualidade do ar no local de trabalho pode afetar a cognição e a produtividade dos funcionários

A qualidade do ar dentro do local de trabalho pode ter impactos significativos na função cognitiva dos funcionários, incluindo tempos…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin