Representação Central Ucraniano-Brasileira critica neutralidade do governo do Brasil diante da invasão russa

Em declarações à nossa reportagem, Vitorio Sorotiuk, presidente da Representação Central Ucraniano-Brasileira (RCUB), disse ter apelado “oficialmente ao presidente do Brasil no dia 31 de janeiro que descendentes de ucranianos já vinham sofrendo com o cerco militar russo à Ucrânia e que também visitasse o presidente Zelensky, que o convidou, como fizeram os líderes europeus que visitaram tanto Putin como Zelensky. Não fomos atendidos. O presidente da República Federativa do Brasil prestou solidariedade ao presidente da Rússia, Vladimir Putin. Agora, vem difundindo inverdades sobre o conflito no Leste em Donetsk e Luhasnk e pregando a neutralidade do Brasil frente a injusta agressão militar que a Ucrânia está sofrendo”

Este responsável sublinhou que “o governo da Ucrânia já vem levantando e documentando os crimes de guerra e contra a humanidade que Vladimir Putin vem cometendo com a brutal agressão ao território e ao povo ucranianos. Os responsáveis e os cúmplices serão levados às barras dos tribunais internacionais. Quem fica neutro e justifica a agressão é cúmplice. Mas ainda há tempo para a correção dos rumos e o alinhamento com a sociedade democrática mundial”

Vitorio Sorotiuk também agradeceu a “solidariedade que o povo brasileiro vem prestando com a nossa comunidade e com o povo ucraniano. Agradecemos aos governos do Estado de São Paulo, Paraná e Santa Catarina e aos municípios, cuja lista é extensa, que já se dispuseram a receber refugiados ucranianos, citando o prefeito Osnei Stadler, de Prudentópolis, sintam-se todos contemplados. Agradecemos aos senadores Álvaro Dias e Oriovisto Guimarães pelo apoio e solidariedade. Agradecemos aos deputados federais Rubens Bueno e Gustavo Fruet que abraçaram a causa. Agrademos ao presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano, e os deputados Luís Claúdio Romanelli e Micheli Caputo. Agradecemos a Ciro Gomes, Sérgio Moro, Luís Inácio Lula da Silva e João Dória que condenaram a agressão. Estamos a abertos para receber o apoio plural de todas as correntes políticas do Brasil como plural é a nossa comunidade”

O presidente da RCUB sugeriu ainda que “esta injusta agressão coloca para o mundo a necessidade do banimento das armas nucleares, como fez a Ucrânia em 1994, a reforma da Organização das Nações Unidas e a condenação da intervenção militar de qualquer país em outro seja o seu nome Vietnam ou Checoslováquia, Ucrânia ou Iraque. Chamamos todos a solidariedade e apoio humanitário a Ucrânia e ao povo ucraniano”

País abriga várias etnias 

Sorotiuk afirmou que, “desde o dia 24 de fevereiro, a Ucrânia sofre uma brutal agressão militar por parte da Rússia. O exército ucraniano e seu povo vem resistindo à invasão do seu território por parte de um dos maiores e bem equipados exércitos do mundo”

Este ucraniano reforça que o seu país possui uma população de 44 milhões de pessoas das quais 17.7 por cento são da etnia russa. “Esses oito milhões de russos étnicos que residem na Ucrânia estão lutando com os ucranianos para repelir a invasão militar. Na Rússia, ocorreram manifestações em 54 cidades contra a guerra e mais de quatro mil russos estão presos. Os 30 mais renomados jornalistas da Rússia manifestaram-se contra a guerra de agressão. São 600 os renomados cientistas russos que assinaram um manifesto contra Putin e contra à sua política de agressão. Enfim, o povo russo está com a Ucrânia. O povo russo está com o mundo que condena a guerra de agressão. O povo russo não está neutro. Quem agride é o déspota Vladimir Putin representante de uma elite capitalista mafiosa”

“A Ucrânia também possui uma expressiva população da etnia judaica. É com orgulho que convivemos com essa etnia que deu ao Brasil Clarice Lispector e a Ucrânia o valente e talentoso guerreiro Volodymyr Zelenskyi. A Ucrânia também abriga o perseguido povo tártaro que sofre brutal opressão em nosso território ocupado da Crimeia. Os seus líderes são presos e perseguidos e a sua língua e cultura, sufocadas”, finalizou Sorotiuk. 

Ígor Lopes

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Os deputados do PAICV eleitos por Santo Antão alertaram nesta quinta-feira, 05 de janeiro, para a situação de abandono da…
Mães e crias em migrações pouco pacíficas

Mães e crias em migrações pouco pacíficas

Uma mãe e a sua cria nadam, lado a lado, ao longo da costa numa zona de águas baixas. Depois…
Angola: FNLA fala de planos para 2023

Angola: FNLA fala de planos para 2023

O líder da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), Nimi a Nsimbi, comentou as atividades relevantes para este ano de…
Moçambique: PRM dá nota positiva ao balanço da quadra festiva

Moçambique: PRM dá nota positiva ao balanço da quadra festiva

Decorreu ontem, 05 de janeiro, em Maputo, a reunião de balanço da quadra festiva, à qual os representantes da Polícia…