Cabinda: Fidel Casimiro propõe ao FCD para aderir à união dos Cabindas que está em curso

Na sequência do anúncio do afastamento de António Bento Bembe da presidência do Fórum Cabindês para o Diálogo (FCD) e a criação de uma Comissão de Transição chefiada por Maurício Nzulu, o presidente da ONG “Adera Solidariedade”, Fidel Casimiro, considera que os “valentes camaradas” conseguiram realizar uma “grande proeza”.

Através de um comunicado Fidel Casimiro lembra a incompatibilidade de António Bento Bembe ser deputado do MPLA e “ao mesmo tempo continuar a considerar-se como o interlocutor no processo de paz em Cabinda” e sublinha que António Bento Bembe “nunca defendeu os interesses do povo de Cabinda” mas “aproveitou-se da sua condição de Membro do Governo para perseguir, intimidar, chantagear e dificultar a vida dos Cabindas que não concordavam com a sua má liderança do FCD”.

O presidente da “Adera Solidariedade” acredita que a Direcção Transitória do FCD vai estabelecer contacto com os “movimentos de cidadãos cabindeses incluindo da sociedade civil” que estão “num novo espírito de união” a fim de se encontrar um consenso na busca de “soluções pacíficas ao caso de Cabinda pela via do diálogo com o Governo angolano”. Neste sentido Fidel Casimiro solicita à Comissão de Transição do FCD “para se juntar a este esforço de união dos Cabindas que está em curso”.

“Temos fé que desta vez, nós os cabindas não iremos cair nos erros do passado”, refere Fidel Casimiro, “como é o caso do separatismo, do familiarismo, do egoísmo, do nepotismo politico, de divisões”.

Por fim o presidente da “Adera Solidariedade” pede ao Governo angolano que “se digne negociar com a estrutura consensual de todas as forças vivas de Cabinda, um acordo de paz credível e definitivo”.

Fidel Casimiro foi primeiro Secretário da Missão Permanente de Angola junto das Nações Unidas, uma nomeação que respeitou o estipulado no “Memorando de Entendimento” assinado por António Bento Bembe com o Governo angolano. Em Outubro de 2018 Fidel Casimiro apresenta demissão desta função como sinal de protesto contra o Governo de Angola, por não estar a cumprir o “Memorando de Entendimento” sobre Cabinda.

Na ocasião, Fidel Casimiro difundira uma carta aberta em que elencava as reais motivações que o levaram a apresentar a demissão, numa altura em que tinha sido nomeado como Conselheiro junto da embaixada de Angola na Guiné-Bissau. “Demos conta que o Presidente do FCD, Senhor António Bento Bembe não estava em condições de defender os interesses do povo de Cabinda, senão só o seu próprio interesse e da sua família”, escreveu Fidel Casimiro que considerava que “o Governo de Angola assinou esse Memorando com a ala mais fraca da resistência dos Cabindas com a intenção “maquiavélica” de continuar o seu domínio e ocupação no território de Cabinda”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Reino Unido continua a fornecer mísseis antitanque à Ucrânia

Reino Unido continua a fornecer mísseis antitanque à Ucrânia

O Governo do Reino Unido confirmou nesta quarta-feira, 09 de março, que irá continuar a fornecer mísseis antitanque à Ucrânia. Trata-se…
BRASIL: Brasileiros deixam a Ucrânia enquanto o país discute situação agroalimentar

BRASIL: Brasileiros deixam a Ucrânia enquanto o país discute situação agroalimentar

O governo brasileiro informou que a Embaixada do Brasil em Kiev “permanece aberta e dedicada, com prioridade, desde o agravamento…
Guiné-Bissau: Ninguém sabe qual dos 8 vice-presidentes pode substituir o presidente do PRS

Guiné-Bissau: Ninguém sabe qual dos 8 vice-presidentes pode substituir o presidente do PRS

A directiva assinada pelo presidente do Partido da Renovação Social (PRS), Alberto Nambeia, de 17 de Janeiro, mas conhecida só…
Moçambique: Ataques Macabros em Macomia

Moçambique: Ataques Macabros em Macomia

Terroristas atacaram numa emboscada no Domingo passado 06 de Março um grupo de milicianos denominado por força local da aldeia…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin