Cabinda: FLEC rejeita proposta de autonomia de Adalberto Costa Júnior

FLEC Nzita

Qualificando de “posicionamento irrealista” a direcção política da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC-FAC) reagiu ao anúncio do presidente da UNITA e coordenador-geral da Frente Patriótica Unida (FPU), Adalberto Costa Júnior, relativo à criação da região autónoma de Cabinda.

“Presenteando Cabinda com uma ilusória autonomia Adalberto Costa Júnior reforça o seu lugar ao lado de outros políticos angolanos que controlam ditatorialmente o país desde 1975 e que consideram Cabinda como uma inegociável colónia angolana”, lê-se no comunicado da FLEC-FAC divulgado esta terça-feira 24 de Maio, que sublinha que os “cabindas não mendigam por um estatuto político a ser demagogicamente presenteado como uma esmola de políticos angolanos numa busca desesperada de votos num território que recusa a ocupação por Angola”.

Para a direcção política da FLEC-FAC os cabindas “exigem o direito de decidirem sobre o futuro político de Cabinda e o seu direito à autodeterminação através de um referendo que contemple a Independência”, e o movimento independentistas vinca que “compromete-se a respeitar escrupulosamente o resultado do referendo e exige aos políticos angolanos que tenham a coragem de dar um passo para um referendo em Cabinda”.

No mesmo documento, assinado pelo porta-voz da FLEC-FAC, Jean Claude Nzita, defende que os cabindas “não querem ser instrumentalizados pelos partidos angolanos e seus líderes que em período eleitoral disparam promessas vãs já repetidas no passado e nunca cumpridas” e insiste que os cabindas “não devem votar em eleições angolanas que apenas servem para legitimar a repressão e colonização de Cabinda por Angola”.

O porta-voz da FLEC-FAC interpela também Adalberto Costa Júnior, “assim como a qualquer político do MPLA ou de outro partido angolano”, relativamente à ausência de reacções face às “prisões arbitrárias em Cabinda” ou “quando as FAA executam friamente refugiados cabindeses nos Congos, quando são proibidas e reprimidas reuniões ou manifestações pela paz em Cabinda”.

Votar nas eleições angolanas é contribuir no genocídio da identidade de Cabinda, amordaçar a nossa liberdade, insultar os nossos antepassados, hipotecar a nossa história e vender o nosso direito à autodeterminação”, lê-se no mesmo documento.

2 Comments

  1. Baú

    Gostei muito.

  2. Baú

    O tempo e necessário para o resultado final

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Goa: Empresas farmacêuticas locais alvo de críticas por realizarem recrutamentos fora do estado

Goa: Empresas farmacêuticas locais alvo de críticas por realizarem recrutamentos fora do estado

A crescente contestação dos partidos da oposição, em Goa, às empresas farmacêuticas locais que recrutam trabalhadores fora do Estado, levou…
Moçambique: Obras de reabilitação da EN1 previstas para outubro/novembro

Moçambique: Obras de reabilitação da EN1 previstas para outubro/novembro

O Governo de Moçambique informou que as obras da Estrada Nacional Número 1 só vão começar em outubro ou novembro…
Cabo Verde: Povo sente cada vez menos que políticos respondem às suas preocupações

Cabo Verde: Povo sente cada vez menos que políticos respondem às suas preocupações

O relatório sobre Estatísticas da Governança, Paz e Segurança 2023 indica que apenas 14,2% dos cabo-verdianos têm a percepção de…
Aluno da Universidade de Coimbra vence competição internacional de estudantes

Aluno da Universidade de Coimbra vence competição internacional de estudantes

João Pedro Sousa Mota, aluno do Departamento de Engenharia Mecânica (DEM) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de…