Líder da FLEC quer que João Lourenço se separe dos ‘marimbondos’ da questão de Cabinda

O líder da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLECI, Emmanuel Nzita, disse à e-Global que o presidente João Lourenço optou “definitivamente pela via militar para resolver a questão Cabinda” e que “excluiu completamente a via pacífica através do diálogo”.

Para Emmanuel Nzita o presidente angolano “é um presidente de paradoxos”. Por um “lado reconhece os crimes e assassinatos perpetrados pelo MPLA em crises internas em Angola, e por outro nega reconhecer os crimes sucessivos e ainda em curso do MPLA em Cabinda. Defende a via pacifica para a resolução dos conflitos, mas cada vez mais envia militares para Cabinda e recusa qualquer diálogo”.

Segundo o líder da organização independentista cabinda, a FLEC está também perante a “problemática, de não ter um interlocutor válido em Angola para dialogar e iniciar o processo para por fim ao conflito em Cabinda”.

“Há cada vez mais emissários do presidente angolano para negociar com a FLEC e cada um chega com uma proposta diferente. O único ponto em comum entre todos estes emissários é que todos dizem que estão mandatos pelo presidente angolano”, contou Emmanuel Nzita. “Neste momento a FLEC já não sabe quem é de facto emissário de João Lourenço e quem não é. Mas estamos conscientes que todos mentem ao presidente angolano sobre a questão de Cabinda”.

Emmanuel Nzita lembrou que “durante algumas décadas a presidência angolana afirmara que não sabia com que organização cabindesa poderia negociar. Mas a realidade é a FLEC que não sabe com qual emissário angolano negociar, e qual transmite de facto as posições e propostas da FLEC, sem as adulterar, ao presidente angolano”.

“Este vai-e-vem de mentiras, dos emissários de Luanda, contribui nas incoerências patentes nos discursos de João Lourenço, que defende a prioridade ao diálogo como meio preferencial na resolução dos conflitos em África, mas em Cabinda optou pela supra militarização e repressão feroz”, salientou Emmanuel Nzita. “Por isso acreditamos que João Lourenço não tem um conhecimento real da disponibilidade e propostas da FLEC para o diálogo. Por esse motivo, e para o estabelecimento de contactos sérios com a FLEC, o presidente angolanos tem de separar-se urgentemente dos ‘marimbondos’ dos minam sucessivamente qualquer possibilidade de contacto ou entendimento”.

“Como é possível que o presidente angolano queira contribuir activamente na resolução dos conflitos em países africanos e não consiga resolver o conflito em Cabinda em que Angola é o principal beligerante. É um paradoxo que expõe as fraquezas de João Lourenço, e do seu staff, no continente africano e ridiculariza Angola”, disse Emmanuel Nzita.

Emmanuel Nzita referiu também que Luanda “tentara impor à direcção da FLEC ter de negociar previamente com o Fórum Cabindês para o Diálogo (FCD), como o organismo do MPLA que aglutinaria todas as propostas de negociação sobre o conflito em Cabinda, antes de estas serem transmitidas à presidência angolana”.

Uma exigência que Emmanuel Nzita sempre recusou, e lembrou que o FCD foi criado na Holanda pela FLEC e a sociedade civil cabindesa, mas que acabou por transformar-se “numa organização totalmente adulterada, contrária aos seus princípios iniciais e com uma missão distinta de aquela que justificara a sua criação. O FCD não é uma organização credível para a FLEC, nem para a presidência angolana!”, vincou o líder da FLEC.

“Por outro lado”, sublinhou Emmanuel Nzita, “não sabemos quem é que representa realmente o FCD tendo em conta que é uma organização em que Maurício Nzulu, António Bento Bembe e Zenga Mambo dizem, respectivamente, ser o único e legitimo presidente da organização e entre eles há uma guerra de chefias e protagonismos”.

“A questão de Cabinda é muito séria. A FLEC tem de ter um interlocutor válido em Angola. O presidente João Lourenço tem primeiro de arrumar a sua casa, separar-se dos ‘marimbondos’ da questão de Cabinda, evitar impor-nos organizações fantoches, e depois disso poderemos dialogar seriamente”, disse o líder da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC), Emmanuel Nzita.

One Comment

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

África do Sul detém alegado líder de sequestros em Moçambique

África do Sul detém alegado líder de sequestros em Moçambique

A polícia da África do Sul deteve no sábado, 07 de janeiro, um homem que estava a ser procurado por…
Timor-Leste: Presidente quer marcar eleições legislativas para maio

Timor-Leste: Presidente quer marcar eleições legislativas para maio

O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, informou que vai ouvir este mês os partidos com assento parlamentar e outras forças…
Angola: UNITA capacita deputados sobre proposta do OGE

Angola: UNITA capacita deputados sobre proposta do OGE

O grupo parlamentar da UNITA realizou um seminário sobre a proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2023 no…
Portugal: Costa oferece mais apoio humanitário e militar à Ucrânia

Portugal: Costa oferece mais apoio humanitário e militar à Ucrânia

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, informou nesta segunda-feira, 09 de janeiro, que conversou ao telefone com o Presidente da…