Presidente de Angola adia “sine die” viagem a Cabinda

Através de uma lacónica nota, o gabinete responsável pela comunicação institucional da Presidência informou que a visita do Chefe de Estado angolano João Lourenço a Cabinda, programada para 13 e 14 de Agosto, foi adiada “sine die”. Uma informação que chegou menos de 24 horas depois de um avião militar transportar para Cabinda os jornalistas que deveriam garantir a cobertura da visita presidencial.

Apesar do gabinete de comunicação da Presidência não adiantar os motivos do súbito cancelamento, várias organizações independentistas de Cabinda preparavam-se para acolher o chefe de Estado angolano ao som de protestos e reivindicações.

Assim que foi divulgada a deslocação de João Lourenço a Cabinda, os activistas nacionalistas e independentistas multiplicaram as publicações na redes sociais com críticas ao presidente angolano e ao MPLA, partido no poder desde 1975, criando um clima de desconforto e insegurança ao qual os serviços de comunicação da Presidência estavam atentos.

A Presidência angolana temia também que os movimentos armados independentistas levassem a cabo acções, durante a permanência do João Lourenço em Cabinda, como meio de chamar a atenção da Comunidade Internacional para a situação militar e ambiente de conflito em Cabinda, num momento em que a imprensa nacional e internacional estaria no território.

O súbito adiamento “sine die” da deslocação de João Lourenço a Cabinda é também um rude golpe nas organizações próximas do MPLA que estão empenhadas na criação de plataformas que visam agrupar várias tendências políticas cabindesas com o objectivo de “negociar” com o Governo angolano uma “solução pacífica” para o conflito em Cabinda. A presença de João Lourenço em Cabinda seria uma ocasião para estas organizações confirmarem que a sua acção conta o aval do Chefe de Estado angolano.

Dinâmicas quem tem suscitado fortes críticas das correntes nacionalistas e independentistas que ironizam afirmando que “o problema de Cabinda não pode ser negociado entre o MPLA e o MPLA”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: IESE diz que Covid-19 não foi principal causa de recessão do país

Moçambique: IESE diz que Covid-19 não foi principal causa de recessão do país

O Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE) considera que a Covid-19 não foi a principal causa da recessão económica em Moçambique.…
Guiné-Bissau: Presidente exonera Chefe de Estado-maior da armada e vice do Exército

Guiné-Bissau: Presidente exonera Chefe de Estado-maior da armada e vice do Exército

Segundo uma nota do Gabinete de Comunicação da Presidência da República, citando o Decreto Presidencial, “é o Contra Almirante, Carlos…
Timor-Leste: Elaboração do Plano de Urbanização de Díli aprovada

Timor-Leste: Elaboração do Plano de Urbanização de Díli aprovada

O Conselho de Ministros de Timor-Leste aprovou a elaboração do Plano de Urbanização de Díli. O objetivo é melhorar a…
Angola: Governo aprova mais de 15 mil milhões de kwanzas para Agricultura e Pescas

Angola: Governo aprova mais de 15 mil milhões de kwanzas para Agricultura e Pescas

O ministro da Agricultura e Pescas de Angola, António Francisco de Assis, informou que foram aprovados mais de 15 mil…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin