Presidente de Angola adia “sine die” viagem a Cabinda

Através de uma lacónica nota, o gabinete responsável pela comunicação institucional da Presidência informou que a visita do Chefe de Estado angolano João Lourenço a Cabinda, programada para 13 e 14 de Agosto, foi adiada “sine die”. Uma informação que chegou menos de 24 horas depois de um avião militar transportar para Cabinda os jornalistas que deveriam garantir a cobertura da visita presidencial.

Apesar do gabinete de comunicação da Presidência não adiantar os motivos do súbito cancelamento, várias organizações independentistas de Cabinda preparavam-se para acolher o chefe de Estado angolano ao som de protestos e reivindicações.

Assim que foi divulgada a deslocação de João Lourenço a Cabinda, os activistas nacionalistas e independentistas multiplicaram as publicações na redes sociais com críticas ao presidente angolano e ao MPLA, partido no poder desde 1975, criando um clima de desconforto e insegurança ao qual os serviços de comunicação da Presidência estavam atentos.

A Presidência angolana temia também que os movimentos armados independentistas levassem a cabo acções, durante a permanência do João Lourenço em Cabinda, como meio de chamar a atenção da Comunidade Internacional para a situação militar e ambiente de conflito em Cabinda, num momento em que a imprensa nacional e internacional estaria no território.

O súbito adiamento “sine die” da deslocação de João Lourenço a Cabinda é também um rude golpe nas organizações próximas do MPLA que estão empenhadas na criação de plataformas que visam agrupar várias tendências políticas cabindesas com o objectivo de “negociar” com o Governo angolano uma “solução pacífica” para o conflito em Cabinda. A presença de João Lourenço em Cabinda seria uma ocasião para estas organizações confirmarem que a sua acção conta o aval do Chefe de Estado angolano.

Dinâmicas quem tem suscitado fortes críticas das correntes nacionalistas e independentistas que ironizam afirmando que “o problema de Cabinda não pode ser negociado entre o MPLA e o MPLA”.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Angola diz que guerra na Ucrânia causa aumento do preço da comida

Angola diz que guerra na Ucrânia causa aumento do preço da comida

O Governo angolano admitiu nesta segunda-feira, 28 de novembro, que os impactos da crise global, principalmente a guerra na Ucrânia,…
Portugal vai reforçar contributo para conjunto de apoios da NATO à Ucrânia

Portugal vai reforçar contributo para conjunto de apoios da NATO à Ucrânia

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, João Gomes Cravinho, anunciou nesta terça-feira, 29 de novembro, que o país vai…
Guiné-Bissau: Partido da Renovação Social insiste que a CNE tem de ser regularizada

Guiné-Bissau: Partido da Renovação Social insiste que a CNE tem de ser regularizada

A caducidade da Comissão Nacional de Eleições (CNE) continua a ser o assunto de debate entre o Presidente da República…
Brasil:  Brasileiros já são os maiores investidores no mercado imobiliário de Portugal, com € 30 bilhões 

Brasil:  Brasileiros já são os maiores investidores no mercado imobiliário de Portugal, com € 30 bilhões 

A revista Forbes revelou que os brasileiros já são a maior comunidade de investidores estrangeiros em Portugal, com 30 bilhões…