Tropas angolanas atacam campo de refugiados cabindas de Nlundu Matende

Segundo a direcção política da FLEC-FAC, na noite de quinta-feira a sexta-feira 12 de Novembro 2021, Forças Armadas Angolanas (FAA) levaram a cabo “ataque selvagem” contra o campo de refugiados cabindeses de Nlundu-Matende, “violando de forma flagrante os princípios do Direito Internacional e os direitos dos refugiados”, denunciou a organização através de um comunicado.

“Esta agressão viola também o Direito Internacional Público quando as Forças Armadas Angolanas (FAA) penetram, operam belicamente e de forma hostil no território soberano da República do Congo visando refugiados que estão sob a protecção do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e do governo congolês”, refere José Maimona, membro da Direcção da FLEC-FAC.

No mesmo documento a FLEC-FAC apela à intervenção urgente do chefe de Estado congolês Denis Sassou Nguesso e do Presidente Félix Antoine Tshilombo Tshisekedi, na qualidade de Presidente da União Africana, “na protecção dos refugiados cabindeses e contra a repressão continua em Cabinda levada a cabo pelas forças ocupação angolanas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin