Cabo Verde: Candidato Fernando Rocha Delgado quer “garantir uma estabilidade nacional”

Fernando Rocha Delgado quer “garantir uma estabilidade nacional, no qual os cidadãos podem viver na sombra da segurança e justiça”.

O Candidato à Presidência da República, Fernando Rocha Delgado, deixa claro que um dos “motivos para a sua candidatura veio do setor em que trabalha (Engenheiro Naval)”, pois “constata que existe muito desequilíbrio, do setor Marítimo em relação às outras classes sociais”.

Fernando Rocha Delgado, com 40 anos é mestre em Direito Marítimo Internacional, mentor da Associação dos Marítimos de Cabo Verde, atuando como Presidente da Referida Associação.

Delgado conta em entrevista à E-Global que “tem como objetivo primordial reforçar a democracia e estimular nos mais jovens o espírito de liderança e responsabilidade para o comando no futuro, lutando pelo equilíbrio das classes sociais, principalmente para que os Marítimos de Cabo Verde possam estar em plena igualdade de direitos como todas as outras classes.”

Por isso, Fernando enfatiza que “os marítimos de Cabo Verde não estão em plena igualdade de direito com as outras classes sociais, sendo que a secção marítima é que se encontra mal, porque não é normal que um marítimo de Cabo Verde vá para a reforma com 65 anos, alertando que é uma área desrespeitada e precisa de atenção para que não caia em desuso”.

O candidato da Ilha de Santo Antão pretende “fazer que com que a segurança, a justiça, a educação, a saúde e os transportes marítimos e aéreos sejam estruturados para o bem do país”. Refere que a “Segurança Nacional está com fraudes e fraturas e precisa de consentimentos. A justiça precisa de urgentes reparações, porque começa a desorganizar-se, e os transportes estão uma lástima. Deve-se lutar para o equilíbrio, para o bem de todos”.

“Irei garantir uma estabilidade nacional, no qual os cidadãos podem viver ma sombra da segurança e justiça de forma que tenha um equilíbrio Nacional, irei fazer com que o Governo cumpra as suas obrigações” reforça Fernando Delgado.

Relativamente à sua não ligação com um partido de Cabo Verde, o candidato afirma que “não estou ligado a nenhuma cor política e nunca pretendo me ligar, a fim de não estragar a minha essência porque sem dúvida se algum dia tencionar entrar num partido político é lógico que as minhas ideologias, ideias vão cair sobre terá, os partidos é que ditam ordem, e não irei conseguir defender o povo”.

Quando questionado sobre a atuação do atual Presidente diz que este “em várias questões e situações que Cabo Verde passou, nunca se pronunciou, deixa muito a desejar, não mostrou que tudo o que fez durante a campanha, como tinha mobilizado os cabo-verdianos”.

Concluiu ainda que “os cabo-verdianos estão desencantados com a política nacional, e a minha entrada é para dar uma nova germinação à política nacional, uma nova ideologia de motivação para poderem voltar a acreditar na política do país, pois há uma grande taxa de abstenção”.

Anícia Cabral

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin