Cabo Verde: Candidato José Maria Neves deixa aviso ao Governo

O candidato à Presidência da República de Cabo Verde, José Maria Neves, pediu para que não fossem usados recursos do Estado para a realização da campanha eleitoral. O antigo primeiro-ministro lembrou a existência do desemprego, da pobreza e da fome existente no país.

As declarações foram feitas nesta quinta-feira, 16 de setembro, durante a apresentação pública da sua plataforma eleitoral. O evento decorreu no hotel Pestana Trópico, na Praia.

Esta posição surge após o PAICV, maior partido da oposição no arquipélago e do qual José Maria Neves faz parte, ter acusado o Governo de utilizar recursos públicos na campanha a favor de Carlos Veiga. Recorde-se que este candidato presidencial é apoiado pelo MpD, formação política no poder e que apoia o Executivo.

Quanto à sua candidatura, Neves realçou que quer ser um Presidente que une, cuida, protege e, principalmente, que coopera com o Governo, as autoridades municipais e a sociedade civil para o desenvolvimento do país.

“Quero ser um Presidente que une, que cuida, que protege. Um árbitro que arbitra imparcialmente o jogo político em Cabo Verde, que fiscaliza a ação governamental, um apaziguador dos conflitos e, sobretudo, um Presidente que coopera com o Governo, as autoridades municipais e a sociedade civil, para que possamos construir um Cabo Verde melhor”, partilhou.

Uma das prioridades da sua candidatura, prosseguiu, será a reconstrução do país pós-pandemia da Covid-19. Isto porque a crise ainda é profunda e depois das eleições ter-se-á ideias mais precisas acerca da dimensão da mesma. O político acredita que é preciso mobilizar parcerias, recursos e investimentos nacionais e internacionais, públicos e privados, para enfrentar a situação pós-pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin