Cabo Verde: Correia e Silva admite falta de recursos humanos no MP

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, reconheceu que há falta de recursos humanos no Ministério Público (MP). A afirmação foi feita nesta terça-feira, 17 de janeiro, depois de uma visita às instalações da Procuradoria-Geral da República (PGR), na cidade da Praia. 

No entanto, acrescentou, o Governo está empenhado em alocar recursos para garantir maior produtividade. 

“São necessários recursos, podem ser reforçados. É necessária maior produtividade, é necessário usar mais a tecnologia, mais o digital nalgumas situações, é necessário fazer revisão legal para podermos melhorar todo o sistema de administração da justiça”, disse, citado pela “Rádio Morabeza”. 

A visita à PGR foi realizada na sequência de um conjunto de deslocações a instituições e serviços ligados à Segurança e Justiça, iniciadas na semana passada. Correia e Silva fez-se acompanhar pela ministra da Justiça, Joana Rosa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique recebe do Japão cinco viaturas de bombeiros

Moçambique recebe do Japão cinco viaturas de bombeiros

O Governo japonês disponibilizou cerca de 170 mil dólares a Moçambique para a aquisição de cinco viaturas destinadas ao Serviço…
Angola: Reintegrados mais de 500 ex-militares em ações contra fome e pobreza

Angola: Reintegrados mais de 500 ex-militares em ações contra fome e pobreza

A vice-governadora provincial para o setor Político, Social e Económico de Benguela, Lídia Amaro, afirmou que 593 ex-militares foram reintegrados…
Banco Mundial indica crescimento de 4,1% para Timor-Leste

Banco Mundial indica crescimento de 4,1% para Timor-Leste

O Banco Mundial prevê que Timor-Leste registe um crescimento económico de 4,1% em 2024 e 2025, através do alívio das…
UE doa 50 milhões de euros à ONU para refugiados palestinianos

UE doa 50 milhões de euros à ONU para refugiados palestinianos

A União Europeia (UE) anunciou o envio da próxima parcela de 50 milhões de euros para a Agência das Nações…