Cabo Verde: Governo acusado de subir impostos “de forma sorrateira”

O dirigente do grupo parlamentar do PAICV, João Baptista Pereira, acusou o Governo cabo-verdiano de aumentar os impostos “de forma sorrateira”. Esta terá sido uma referência ao Imposto de Consumo Especial (ICE), que o político classifica de uma má medida que não pode continuar.

As críticas foram feitas nesta quarta-feira, 26 de janeiro, no Parlamento. Baptista Pereira esclareceu que o PAICV votou favoravelmente à alteração do tecto da dívida e empenhou-se fortemente numa solução temporária e alternativa para impedir que o Governo aumentasse o imposto e complicasse ainda mais a vida do povo.

“Portanto, em momento algum o PAICV discutiu o aumento de 200 mil escudos na importação de viaturas. É uma medida que o Governo tomou para penalizar os imigrantes e os operadores e os consumidores cabo-verdianos”, mencionou, citado pela “Inforpress”.

Foi também lembrado que o Governo, face à aprovação do tecto de endividamento, comprometeu-se a baixar o Imposto sobre Valor Acrescentado (IVA) no turismo para 10% e a retirar 10% sobre o gasóleo, além de ter assegurado igualmente que não aumentaria o direito da importação.

“Sorrateiramente, aumentou 200 mil escudos na importação das viaturas, e a argumentação que é apresentada aqui de que queremos fazer a importação de viaturas elétricas para transição não cola, já que há um problema de base a resolver, já que a produção de energia é feita pela via dos combustíveis fósseis”, defendeu.

O representante do maior partido da oposição no país realçou que o Governo está a querer enganar os cabo-verdianos.

MpD acusa PAICV de desonestidade

Em reação a estas declarações, o líder do grupo parlamentar do MpD acusou o seu adversário de desonestidade intelectual. João Gomes afirmou que o PAICV votou a proposta de Orçamento de Estado que continha esta medida.

“Por isso, quando ouço hoje que o Governo sorrateiramente introduziu a taxa de 200 mil escudos para importação de viaturas novas até quatro anos tenho a dizer é que não acredito que nenhum deputado, mormente da oposição, vote um orçamento sem saber o seu conteúdo. Isto tem a ver com a honestidade intelectural”, concluiu.

Os deputados do PAICV abstiveram-se, mas não votaram contra, o que, na perspetiva de João Gomes, tal representou “benefício da dúvida”.

“Se estivessem contra deviam votar contra”, finalizou.

Em resposta, o deputado João Baptista, do PAICV, reafirmou que a medida foi tomada de forma sorrateira e em socapa porque a proposta foi distribuída à última da hora e nenhum deputado pôde fazer uma apreciação verdadeira do documento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin