MINISTRO DE ESTADO, DOS ASSUNTOS PARLAMENTARES E DA PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTRO DO DESPORTO

Cabo Verde: Governo quer atribuir maior autonomia à Direcção Geral do Trabalho

O ministro do Estado, da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social de Cabo Verde, Fernando Elísio Freire, anunciou que o Governo vai transformar a Direcção Geral do Trabalho em autoridade com maior autonomia. 

“Vamos fazer um ‘up grade’ na Direcção Geral do Trabalho para ser uma Autoridade Independente do Trabalho que irá ter autonomia administrativa de decisão e financeira”, partilhou. 

As declarações foram feitas em sede da Comissão Parlamentar de Educação, Cultura, Saúde Juventude e Questões Sociais. Elísio Freire foi ouvido pelos deputados no quadro do Orçamento do Estado para 2022

“reforma institucional” ao nível da Direcção Geral do Trabalho está prevista para 2022. Nesse âmbito, a organização será transformada em uma autoridade do setor, o que lhe dará maior autonomia. 

“Como se sabe, os trabalhadores estão na Administração Pública e no setor privado e o Estado, enquanto empregador, não pode ser ao mesmo tempo regulador e patrão”, explicou o governante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin