Cabo Verde: JPAI pede esclarecimentos sobre despedimento de mais de 600 enfermeiros

A Juventude do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, JPAI, foi “contactada por vários jovens enfermeiros, provenientes de todas as ilhas de Cabo Verde, muitos ainda a pagar as despesas da sua formação académica, inclusive ao banco, e muitos chefes de família com filhos menores e vários compromissos”, afirmando que o “Ministério da Saúde, pretende enviar para casa mais de 600 enfermeiros, a maioria jovens”.

A declaração foi feita durante uma conferência de imprensa, liderada pelo Eder Brito, membro da Comissão Política Nacional da JPAI. Segundo o líder político, a “medida demonstra uma tremenda falta de sensibilidade do Governo, principalmente do Sr. Ministro da Saúde com a sua própria classe de prestadores de serviço de saúde. Entendia-se que o Ministro da saúde protegeria a sua classe, porém, não é o que se observa.”

Apelou deste modo que seja anulado esta medida que irá prejudicar centenas de famílias, num momento em que se vive situações difíceis e complexas em Cabo Verde, “a situação entre estes enfermeiros é de muito pânico e desalento” diz.

Eder Brito, sublinhou ainda que “um Governo da República preocupado com os seus nacionais não pode instigar e promover a precariedade laboral e muito menos o desemprego jovem”.

Brito aponta ainda que a maioria dos enfermeiros tinha a obrigação de permanecer num local de trabalho específico, horários de trabalho pré-definidos, e alguns, inclusive, tiveram férias, apesar de usarem a terminologia “descanso”.

“Fica a dúvida de até que ponto a relação laboral existente entre os enfermeiros e o Ministério da Saúde era, meramente, de prestação de serviços” argumentou.

Fundamentos estes expostos numa carta aberta enviada ao Ministério da Saúde pelos enfermeiros e enfermeiras com várias reivindicações, desde a questão dos salários em atrasos, sobrecarga de trabalho, falta de subsistência medicamentosa e/serviços médicos especializados, condições precárias de serviços e exposição a danos e agravos à saúde individual, entre outros.

Anícia Cabral – Correspondente

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Angola: Acidentes de viação são segunda causa de morte do país

Angola: Acidentes de viação são segunda causa de morte do país

A Vice-Presidente de Angola, Esperança da Costa, partilhou a sua surpresa no que diz respeito à existência de um grande número…
Moçambique recebe mais USD 59 milhões do FMI para OE

Moçambique recebe mais USD 59 milhões do FMI para OE

O Fundo Monetário Internacional (FMI) concluiu a primeira avaliação do programa de financiamento de três anos ao Orçamento do Estado…
Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um crescimento considerável do crédito à economia em 2023 para Moçambique.  Se isso se…
Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

O Governo angolano assegurou nesta quinta-feira, 24 de novembro, que vai entregar a proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE)…