Cabo Verde: Líder do PAICV questiona transparência da venda da TACV

A presidente do PAICV afirmou que se continua sem saber bem quanto é que custou o contrato de gestão da companhia Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) aos cabo-verdianos, que foi vendida “a preço de rifa”. Janira Hopffer Almada acrescentou que ninguém sabe quanto custou a reestruturação da companhia, os custos da mudança das operações para o Sal, os custos do aluguer de aviões quando o país ficou sem aviões, bem como as indemnizações que tiveram que pagar.

As declarações foram feitas na abertura do debate parlamentar sobre os transportes e a conectividade do país, proposto pelo seu partido e pela UCID, tendo a dirigente dito que “por ironia do destino, assiste-se a um reeditar a história, com os mesmos protagonistas dos finais da década de 90, e que foram os principais responsáveis pela derrapagem financeira nos anos de 1999/2000”, referindo-se ao Governo do MpD na altura.

A parlamentar voltou a questionar a falta da transparência no contrato celebrado entre o Governo e a Icelandair, criticando que “só se sabe certamente é que, dos 143 mil contos (1.296 euros) da venda dos TACV, uma boa parte foi para pagar a dívida que tinha com a Icelandair, que ninguém sabe o quanto que é”.

“Até hoje e depois de ter vendido os TACV a preço de rifa, o Governo não consegue dizer ao país que avaliação foi feita aos TACV, apesar de a avaliação ser uma imposição da lei. Afinal quem fez a avaliação dos TACV, como foi feita, onde está o estudo de avaliação?”, mencionou ainda, colocando igualmente a questão de porque é que a cota de mercado da TACV nas linhas domésticas, que corresponde a 30% do capital social da Binter Cabo Verde, não entrou na avaliação feita dos 143 mil contos.

Por sua vez, o líder da bancada do MpD, Rui Figueiredo Soares, defendeu que o Governo assumiu desde a primeira hora o compromisso de desenhar soluções ajustadas e credíveis para os “problemas complexos” no domínio dos transportes “em grave crise”, constatada por todos.

“Basta lançarmos um olhar ainda que passageiro sobre o programa do Governo para nos apercebermos dos bons propósitos do Executivo sobre as políticas dos transportes um sector que se afirme e se impõe como estratégico num país arquipelágico como nosso”, argumentou, ajuntando que a situação herdada dos 15 anos da governação do PAICV reclamava “medidas urgentes e corajosas sempre em defesa do interesse público”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Ucrânia diz que não entra na NATO se garantirem segurança do país

Ucrânia diz que não entra na NATO se garantirem segurança do país

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, garantiu nesta quinta-feira, 10 de março, que o país está disposto…
Portugal respeita posição de Angola sobre guerra na Ucrânia

Portugal respeita posição de Angola sobre guerra na Ucrânia

O novo Embaixador português em Angola, Francisco Duarte, entregou nesta quarta-feira, 09 de março, cartas credenciais no Palácio Presidencial em…
SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: Aumento do Salário mínimo

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: Aumento do Salário mínimo

O São-tomense e sindicados chegam ao consenso sobre o salário mínimo na função pública que sobe já a partir de…
SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: Vila Nova arranca a semana da economia

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: Vila Nova arranca a semana da economia

São Tomé-10-Mar-2022- Iniciou na passada segunda-feira a semana nacional de Economia Azul, e foi presidido pelo Presidente da República Carlos…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin