Cabo Verde: Mais de 70% dos cabo-verdianos têm telemóvel e acesso à Internet bate recorde

O número de cabo-verdianos com acesso a telemóvel atingiu, no ano passado, os mínimos dos últimos três anos, com mais de 70% da população a ter pelo menos um equipamento. Quanto ao acesso à Internet, este é cada vez mais generalizado.

Os dados divulgados encontram-se no relatório Inquérito Multi-Objetivos (IMC) sobre o acesso e uso das tecnologias de informação e comunicação, relativo a 2018, que foi, entretanto, concluído pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O IMC 2018 indica que 70,4% dos indivíduos com idade igual ou superior a dez anos de idade possuíam, no final do ano passado, um telemóvel. Em 2014 esse registo era de 65,1%, atingindo os 72,4% em 2016 e os 74,2% em 2017.

O inquérito refere ainda que quase um quarto (22,1%) das crianças cabo-verdianas com idade compreendida entre os dez e os 14 anos possuíam, no final de 2018, um telemóvel pessoal. Já o acesso ao telefone fixo acentuou as quebras no último ano, estando presente, segundo o levantamento do INE, em apenas 20,7% dos agregados familiares em Cabo Verde.

“O telefone fixo vem caindo em desuso com o passar dos anos”, conclui o estudo, ao mencionar que entre 2014 e 2018 a proporção dos agregados familiares que possuíam telefone fixo sofreu um decréscimo de 10,3%.

O IMC 2018 diz ainda que 37,0% dos agregados familiares no país possuíam pelo menos um computador (incluindo equipamentos portáteis). No entanto, este número é muito superior entre a população urbana, com 45,8%, contra os 17,3% de incidência no meio rural.

Dos 156.582 agregados familiares estimados pelo IMC 2018, o INE projeta ainda que 70,1% das famílias cabo-verdianas têm acesso à Internet em casa. Globalmente, o estudo regista que nos últimos cinco anos a proporção de agregados familiares com acesso à Internet em casa aumentou “consideravelmente”, equivalente a 37,9%. Em 2014, a incidência do acesso à Internet era de apenas 32,2% da população.

De acordo com o INE, para a elaboração do IMC de 2018 foi usada uma amostra de 9.918 agregados familiares, selecionados de forma aleatória e independente dentro de cada concelho do país, respeitando a representatividade a nível nacional, por meio de residência e concelho, traduzindo-se num total de 543.492 indivíduos distribuídos em 156.582 agregados familiares, a nível nacional.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Polícia dispersa manifestação de estudantes contra a direcção da ENA

Guiné-Bissau: Polícia dispersa manifestação de estudantes contra a direcção da ENA

A  Polícia de Ordem Pública (POP) dispersou esta quarta, 17, centenas de estudantes da Escola Nacional de Administração (ENA) que…
Guiné-Bissau: Finanças esclarece motivos de personalidades terem de sair das residências

Guiné-Bissau: Finanças esclarece motivos de personalidades terem de sair das residências

“A medida do Governo, em convidar as pessoas a abandonarem as residências do ‘bairro do Ministro’ não visa atingir ninguém”,…
Relações comerciais entre Brasil e Estados Unidos batem recorde em 2022

Relações comerciais entre Brasil e Estados Unidos batem recorde em 2022

As trocas comerciais entre o Brasil e os Estados Unidos em 2022 atingiram o patamar histórico de US$ 88,7 mil…
Cabo Verde: MpD acusa PAICV de estar "desatento e lento"

Cabo Verde: MpD acusa PAICV de estar "desatento e lento"

O secretário-geral do MpD, Luis Carlos Silva, afirmou que o PAICV está “desatento e lento” em relação ao ‘ranking’ da…