Cabo Verde: PAICV acusa Governo de esconder contrato

O PAICV acusou o Governo cabo-verdiano de violar, intencional e deliberadamente, as leis da República, ao recusar fornecer informações relacionadas com dossiers relacionados com a gestão do país.

A principal formação política da oposição em Cabo Verde citou o contrato assinado entre o Estado, a companhia Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) e a Loftleidir em março deste ano, nas vésperas das eleições legislativas.

As acusações foram feitas pela Vice-Presidente da Bancada Parlamentar do PAICV, Carla Lima, durante uma conferência de imprensa realizada na cidade da Praia. “É uma total falta de transparência nos negócios públicos, principalmente quando falamos do negócio da TACV, que desde o início tem sido marcado por esse secretismo por parte do Governo”, criticou.

“Desde o início, desde o primeiro contrato, [o Governo] teve muitas dificuldades em disponibilizar esses documentos aos deputados, e só o fez em último caso. Agora com este novo contrato, de 21 de março, acontece a mesma coisa. Mesmo perante um requerimento aprovado pela unanimidade dos deputados na Assembleia Nacional, o Governo recusa-se a entregar o documento, o que nos leva a questionar o que e que estará o Governo de Ulisses Correia e Silva a esconder ou a querer esconder dos cabo-verdianos ou da Assembleia Nacional”, prosseguiu.

Segundo a dirigente, desde 30 de julho de 2021, durante o debate sobre o estado da Nação, o Grupo Parlamentar do PAICV apresentou um requerimento à Mesa da Assembleia Nacional a pedir que o Governo entregasse aos deputados o contrato assinado entre o Estado de Cabo Verde, os TACV e a Loftleidir. No entanto, após dois meses, o partido continua sem ter o contrato, mas garante que não vai desistir.

“Esta falta de transparência por parte do Governo, leva-nos a questionar os reais motivos deste negócio e leva-nos também a questionar como foi possível fazer um negócio tão ruinoso para o Estado de Cabo Verde, e para os cabo-verdianos. Não podemos esquecer que neste momento os cabo-verdianos não têm voos, não tem ligações aéreas por parte da TACV, e já foi gasto muito dinheiro numa empresa que nós vendemos, e nós não recebemos”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: Governo vê inverno como ponto de não retorno no turismo

Cabo Verde: Governo vê inverno como ponto de não retorno no turismo

O ministro do Turismo de Cabo Verde, Carlos Santos, admitiu que com a retoma em curso da procura de turistas,…
EUA terminam segundo treino militar conjunto em Moçambique

EUA terminam segundo treino militar conjunto em Moçambique

Os Estados Unidos da América (EUA) concluíram em Moçambique o segundo treino militar conjunto face à ameaça terrorista na província…
Moçambique: Frelimo recolhe subsídios para reabilitar deslocados

Moçambique: Frelimo recolhe subsídios para reabilitar deslocados

A Frelimo, partido no poder, reuniu-se com representantes das denominações religiosas de Moçambique para colher subsídios que possam contribuir para…
Portugal conta com mais seis mortes e 1.058 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal conta com mais seis mortes e 1.058 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

O boletim epidemiológico, divulgado pela Direção Geral da Saúde esta terça feira, refere que o número de casos confirmados de…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin