Cabo Verde: PAICV quer CPI para apurar privatização dos TACV

O PAICV informou que vai requerer uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para “investigar e apurar todos os meandros” do processo de privatização dos Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV). 

A informação foi divulgada pelo presidente do grupo parlamentar do partido, João Baptista Pereira, nesta segunda-feira, 20 de setembro, durante uma conferência de imprensa realizada na cidade da Praia.  

“O grupo parlamentar do PAICV, ciente da sua indeclinável responsabilidade, vai requerer a criação de uma CPI para investigar e apurar todos meandros do processo de privatização o TACV e as razões do seu evidente fracasso”, declarou. 

Trata-se de uma decisão tomada na sequência da divulgação do contrato entre o Governo e os islandeses da Loftleidir Icelandic, decorrente do processo da privatização TACV/Cabo Verde Airlines. 

Para o dirigente, o Estado cabo-verdiano já tem “experiência e maturidade suficiente e quadros com percurso”, além de “conhecimentos adequados” para impedir o arquipélago de “cair nessas ratoeiras negociais” com “prejuízos irremediáveis”

João Baptista Pereira questionou o que levou o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, a assinar “um contrato lesivo” para o povo cabo-verdiano, “desvalorizando as ações da empresa” “vendendo ao desbarato” àquele que, até agora, “não pagou um único centavo a este país”

“O mais grave em todo este processo é que toda a negociata em torno dos TACV decorria sob o escudo protetor das cláusulas de inconfidencialidade, estrategicamente inventadas pelo Governo para fugir ao controlo e fiscalização dos seus actos pelo Parlamento, pela oposição e pela sociedade”, lembrou. 

Recorde-se que foi em março de 2019 que o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da então empresa pública TACV por 1,3 milhões de euros à Lofleidir Cabo Verde, empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF (grupo Icelandair, que ficou com 36% da CVA) e em 30% por empresários islandeses com experiência no setor da aviação, tendo estes últimos assumido os restantes 15% da quota de 51% privatizada. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin