Cabo Verde: PAICV quer que Governo intervenha no aumento de eletricidade

O PAICV apelou a uma imediata intervenção do Governo cabo-verdiano para impedir ou fazer face ao aumento do preço de energia, que corresponde a 37%. Para o membro da Comissão Política Nacional do partido, Carlos Tavares, a medida vai ter efeitos nefastos nas famílias e colocar em causa a competitividade das empresas e do próprio país.

As declarações foram feitas nesta quarta-feira, 08 de setembro, durante uma conferência de imprensa convocada na cidade da Praia para falar sobre a nova tarifa de eletricidade, que entrará em vigor a partir do próximo mês de outubro.

Esse aumento está alegadamente relacionado com a subida do preço dos combustíveis. O PAICV ficou surpreendido com o anúncio da subida da eletricidade, uma vez que considera que a mesma vai ter “forte impacto” na vida das famílias e das empresas, que têm sido confrontados com “significativas perdas de rendimento”, agravadas pelas consequências da Covid-19.

“O facto é que esse aumento drástico do preço de energia dificulta a vida das famílias, aumenta a desigualdades sociais, fomenta o aprofundamento da pobreza, põe em causa a competitividade da economia cabo-verdiana, dificultando o investimento direto estrangeiro, impactando negativamente o emprego e o desenvolvimento do país”, criticou Tavares.

“Como é possível, em plena situação de pandemia em que o país se encontra, com poder de compra reduzido agravado pelos impactos da pandemia, surgir esse despropositado aumento?”, questionou.

Para o representante da maior formação política da oposição em Cabo Verde, a verdadeira causa do aumento do preço da energia serve para compensar a Electra em relação às perdas causadas pelas medidas de campanha eleitoral levadas a cabo pelo Governo, que acumulou dívidas elevadas junto da empresa produtora e distribuidora de energia elétrica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin