Cabo Verde: Preços da TAP para a diáspora considerados abusivos

O ministro das Comunidades de Cabo Verde, Jorge Santos, considera abusivos os preços praticados pela Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) para a mobilidade externa das comunidades cabo-verdianas na diáspora.

“É abusivo o preço das passagens que a TAP está a praticar em relação às comunidades cabo-verdianas da diáspora”, declarou.

Para o governante, esses preços carecem de uma abordagem mais solidária, principalmente durante a pandemia da Covid-19. As declarações foram feitas depois de ter visitado as comunidades emigradas de Portugal, da Holanda, da Bélgica e de Luxemburgo.  

Neste âmbito, Jorge Santos apelou à TAP, enquanto empresa pública, e às próprias autoridades portuguesas para analisarem o caso e serem mais “solidárias” em tempos de pandemia.

“O mercado não é só de hoje e as dificuldades impostas pela pandemia demonstram que temos de ser mais solidários. Temos de fazer negócio, mas temos de ser ao mesmo tempo racionais e solidários”, frisou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin