Cabo Verde: UCID apela ao Governo que ajude urgentemente Santo Antão devido à seca

A União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) denunciou a difícil situação socioeconómica vivida nos planaltos Leste e Norte, em Porto Novo, Santo Antão, através de uma entrevista dada esta segunda-feira, 12 de novembro, à “Rádio Morabeza”. De acordo com o partido, o caso é extremamente complicado, devido à seca, e necessita de uma atenção urgente por parte do Governo.

O problema deve-se a mais um mau ano agrícola, não tendo a chuva sido suficiente para garantir o crescimento e a fortificação de culturas e do pasto na ilha de Santo Antão, local onde a UCID esteve presente este fim de semana para realizar uma visita de trabalho de dois dias. Foi o líder da força política, António Monteiro, quem se queixou publicamente acerca do ocorrido.

“Em termos sociais, aquilo que nós vimos sobretudo na zona do Planalto Leste, mais concretamente na zona da Lagoa, é extremamente complicado e difícil. Complicado e difícil na medida em que aquelas zonas, infelizmente não tiveram a possibilidade de receber a chuva amiga. Por isso a situação das pessoas que vivem da agricultura e criação de gado está cada vez mais complexa. Visitamos todo o Planalto norte e vimos no rosto das pessoas o sofrimento terrível por falta de chuva e alguma dificuldade em sustentar os seus animais de onde tiram o seu ganha-pão”, afirmou.

O presidente da UCID apelou ao Governo que criasse postos de trabalho e retomasse rapidamente a distribuição da ração animal a um preço acessível, tendo ainda mencionado a falta de água para a rega, que é outro problema vivido na zona. António Monteiro disse estranhar a alegada falta de atuação dinâmica e forte do executivo, uma vez que o programa de mitigação da seca do Governo terminou em setembro.

“A situação é extremamente complicada e exige-se rapidamente do Governo uma atenção a essas pessoas, pelo menos dar continuidade do programa que vinha anteriormente e utilizar tecnologias para que os criadores o possam sustentar os seus gados, e com isso poderem ter rendimentos. É pena que ainda não estamos a sentir uma actuação dinâmica e forte do Governo no sentido de auxiliar estas pessoas”, declarou.

A qualidade das habitações foi igualmente denunciada pela delegação da UCID, tendo o presidente considerado mais uma vez que se tratava de outro caso preocupante. “Na zona da lagoa a situação é extremamente grave, e nós já falamos disso inúmeras vezes, e até hoje o Governo não teve ainda a oportunidade de resolver o problema. Pedimos que o Governo preste atenção nessa matéria, e com o programa PRA deveria cuidar destes cidadãos”, reforçou António Monteiro, que prometeu levar todas estas questões ao Parlamento na próxima sessão do mês de novembro, que começa amanhã, dia 14, para exigir dos outros partidos uma maior interação no intuito de pedir ao Governo que ajude as zonas afetadas.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

O Governo guineense através do Decreto nº 1/2023 de 19 de Janeiro determinou que 23 de Janeiro, outrora dia dos…
Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

O Movimento Nacional para Recuperação da Unidade Moçambicana (MONARUMO) comentou a recente diminuição do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA),…
Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, assumiu o compromisso de o país usar 77% de energia renovável até 2027. …
Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

O turismo e privatizações em Cabo Verde decidiram financiar o fundo MAIS, definido pelo Governo e criado com o objetivo…