Cabo Verde: Veiga quer juntar forças políticas e sociedade civil

O candidato presidencial Carlos Veiga informou que quer unir forças políticas e a sociedade civil na busca de um consenso para a regionalização de Cabo Verde. A afirmação foi feita nesta quarta-feira, 13 de outubro, altura em que realizou a campanha eleitoral no Mindelo, na ilha de São Vicente. 

O objetivo, explicou, é trabalhar com vários atores políticos e com a sociedade para encontrar uma solução de consenso necessário, exigência de Constituição, que implica uma maioria qualificada. Para o político, a ilha está preparada para dar o salto no pós-Covid-19, com a recuperação das obras de infraestruturação. 

Veiga esteve acompanhado do atual primeiro-ministro e líder do MpD, Ulisses Correia e Silva. “Unir para Avançar” é o lema da candidatura do aspirante à Presidência da República do arquipélago. 

Recorde-se que o sufrágio está marcado para domingo, 17 de outubro. Além de Carlos Veiga, concorrem para Presidente da República os candidatos Casimiro de Pina, Fernando Delgado, Gilson Alves, Hélio Sanches, Joaquim Monteiro e José Maria Neves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin