UE defende mais comunicação sobre acordo de pescas com Cabo Verde

União Europeia (UE) quer maior comunicação sobre o acordo de pescas com Cabo Verde, uma vez que considera existir um défice de comunicação referente a este assunto. A informação foi avançada pela embaixadora da UE em Cabo Verde, Carla Grijó. 

A diplomata participou em uma reunião mista sobre o acordo de pescas, que decorreu na ilha cabo-verdiana de São Vicente. Na sua intervenção, mencionou que o acordo tem diversos componentes, para além do valor que foi pago para o acesso às águas nacionais. 

Uma das componentes destacadas foi a do apoio setorial ao desenvolvimento do setor das pescas e a cooperação científica. Apesar de Carla Grijó realçar que o país africano tem demonstrado conhecimento e eficácia na implementação do acordo de pescas com a UE, notou igualmente um défice de comunicação do acordo no arquipélago.  

“Embora recém-chegada a Cabo Verde, pude já constatar que existe um défice de informação sobre o acordo e sobre os benefícios recíprocos que dele resultam. Ao mesmo tempo, este é um acordo que suscita grande interesse junto da sociedade cabo-verdiana, extravasando mesmo os operadores económicos e grupos sociais mais diretamente implicados”, começou por afirmar. 

“Penso que há um trabalho de informação e de pedagogia a ser feito. Por exemplo, sobre os sistemas de monitorização a que as embarcações da União Europeia estão sujeitas e que permitem às autoridades cabo-verdianas o conhecimento, praticamente em tempo real, dos volumes de pesca realizados. O ideal seria que essa transparência se estendesse também às frotas de outros países”, acrescentou. 

Segundo a embaixadora, o acordo é vantajoso para ambas as partes e contribui para criar no arquipélago um ambiente empresarial cada vez mais atrativo. “Podemos melhorar ainda mais a nossa cooperação e a nossa comunicação. Uma comunicação reforçada apoiaria a nossa cooperação em todas as áreas, promovendo maior interação e beneficiando, nomeadamente, a implementação do apoio sectorial previsto no protocolo”, concluiu. 

O novo protocolo ao acordo de pesca entre a UE e Cabo Verde foi aprovado em junho de 2020 e concede à frota europeia licenças para 28 atuneiros cercadores congeladores, 27 palangreiros de superfície e 14 atuneiros com canas, a serem distribuídos por Portugal, Espanha e França.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: PAICV diz que Porto Novo vive "um dos piores momentos da sua história"

Cabo Verde: PAICV diz que Porto Novo vive "um dos piores momentos da sua história"

O PAICV considera que o município do Porto Novo atravessa “um dos piores momentos da sua história”, devido às “más decisões políticas” do Governo atual. A maior formação…
Portugal usa fundo de 1,2 ME para vítimas de terrorismo em Moçambique

Portugal usa fundo de 1,2 ME para vítimas de terrorismo em Moçambique

Portugal anunciou que vai disponibilizar um fundo de 1,2 milhões de euros, dos setores público e privado, para apoiar as…
Marcelo Rebelo de Sousa recebe mensagem de João Lourenço

Marcelo Rebelo de Sousa recebe mensagem de João Lourenço

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, foi recebido em audiência pelo chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, nesta…
Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

A recente demissão de Fernando Gomes das funções de Procurador-Geral da República (PGR) apanhou o país de surpresa, mas justifica-se…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin