Ásia | Diplomacia | Economia | Lusofonia

Fórum Macau: Presença do primeiro-ministro chinês sinaliza importância crescente da relação da China com os países de expressão portuguesa

O primeiro ministro chinês, Li Keqiang, chegou ontem, 10 de outubro, a Macau para presidir à cerimónia de abertura da V Conferência Ministerial do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua oficial Portuguesa, conhecido como Fórum Macau.

Esta é a primeira visita do primeiro-ministro Li Keqiang a Macau, onde deverá permanecer até quarta-feira.

À chegada, Li disse que a China apoia o papel que Macau desempenha enquanto plataforma para o relacionamento comercial e económico entre a China e os países de língua portuguesa.

 

Ontem, segunda-feira, Li Keqiang manteve encontros separados com os diferentes chefes de governo africanos que participam no evento, incluindo o primeiro ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, o primeiro ministro guineense, Baciro Djá, e o primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário.

No final da ronda de conversações, Li anunciou a disponibilidade do governo chinês para aprofundar as relações políticas, económicas e comerciais com os países de expressão portuguesa.

O primeiro ministro de Portugal, António Costa, chega hoje também a Macau, proveniente de Xangai, onde manteve um encontro um encontro com vários empresários chineses desta região.

O primeiro-ministro e o seu homólogo chinês, Li Keqiang, discursam hoje na sessão de abertura desta conferência:

“Este Fórum Macau de cooperação entre a China e os países de língua portuguesa vai ser muito importante. Trata-se de um evento que sublinha a importância que a China continua a atribuir a Macau como ponte para a Lusofonia”, defendeu o líder do executivo português, ainda em Xangai, antes de embarcar rumo a Macau.

Estão hoje em Macau, para participar nesta conferência, os primeiros-ministros da China, Portugal, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique. Angola, Timor-Leste e Brasil estão representados por ministros. São Tomé e Príncipe não integra o Fórum Macau, por manter relações diplomáticas com Taiwan.

 

 

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo