Crise | Guiné-Bissau

Face à falta de informação, Zika está a tornar-se numa ameaça séria para a Guiné-Bissau

Depois das autoridades sanitárias terem anunciado, na semana passada, a presença do vírus Zika, os guineenses estão muito apreensivos com a situação, principalmente devido à falta de informação sobre as causas e consequências imediatas da doença.

“Nunca ouvi falar de Zika”, disse, por exemplo, um habitante da ilha de Bubabaque no arquipélago dos Bijagós, onde foram diagnosticados três casos da doença, segundo os dados do Instituto Nacional de Saúde (INASA), a entidade técnica responsável que já intensificou algumas ações junto dos técnicos de saúde e da comunicação social guineense.

A campanha de sensibilização sobre a doença ainda é muito insuficiente, e esteve até agora focalizada em algumas entrevistas difundidas meios de comunicação que não cobrem todo o território nacional, sobretudo o interior do país, onde a ameaça do Zika é mais séria.

O Governo está a contar com o envolvimento imediato de organizações internacionais na luta contra vírus Zika, antes que a epidemia atinja proporções preocupantes.

© e-Global Notícias em Português
1 Comentário

1 Comentário

  1. TBRITES

    12/07/2016 at 11:34

    POR FALAR EM FALTA DE INFORMAÇÃO

    ZIKA NÃO PROVOCA MICROCEFALIA

    Para a maioria que só ingere notícias dos MCS…

    1850 MULHERES INFECTADAS COM ZIKA = ZERO CASOS DE MICROCEFALIA

    Isto anula por completo a hipótes “zika provoca microcefalia” e assim sendo NÃO ESTÁ PROVADO QUE ZIKA PROVOCA MICROCEFALIA.

    “Among a subgroup of 1850 pregnant women with ZVD for whom complete data on the trimester of infection were available, 532 reportedly contracted the infection in the first trimester, 702 in the second trimester, and 616 in the third trimester. At the time of data cutoff, among the women in whom ZVD had been diagnosed, pregnancies were ongoing in 84% of those with a diagnosis in the first trimester and in 71% of those with a diagnosis in the second trimester. For the 616 women in whom ZVD was diagnosed in the third trimester, 82% of their infants were born at term with a normal birth weight, 2% were born at term with a low birth weight, 8% were preterm, and 1% died during the perinatal period; 7% are still being followed. No cases of microcephaly or brain abnormalities have been reported in this group to date.”

    fonte:

    http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1604037?query=featured_zika&#t=articleResults

    Continuem a comer notícias estragadas…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo