Guiné-Bissau: A maioria dos funcionários entrou de “forma ilegal” na função pública

O Ministro da Função Pública, Reforma Administrativa e Trabalho, Tumane Balde, defendeu esta quinta-feira, 28 de Dezembro, a criação de estruturas sólidas que envolvam o governo e os seus parceiros para, em conjunto, discutirem os problemas que afetam os servidores públicos na Guiné-Bissau.

Ao presidir o ato da tomada de posse do novo secretário-geral da UNTG-CS, Tumane Balde disse que ao longo dos 43 anos da independência do país registou-se uma violação das regras de ingresso na função pública e avançou que a maioria dos funcionários entrou de “forma ilegal” na função pública e esta prática continua ainda a ser uma realidade na administração pública.

Neste sentido, Tumane Balde convidou os parceiros do seu ministério a trabalharem na resolução dos problemas “candentes do país”, porque “a instabilidade sócio laboral reside na Função Publica”.

Por outro lado, o Ministro considerou preocupante a forma como a população do interior está a viver, fruto da desorganização do aparelho administrativo: “dos mais de 8 mil professores, apenas 900 estão colocados no interior e 64% de funcionários de Saúde estão em Bissau. Isso é paradoxal.”

Referindo-se à nova grelha salarial, Tumane Balde explicou que a grelha salarial que o executivo pretende reajustar tem de ser analisada porque a antiga grelha tem muitos regimes, nomeadamente, regime para Magistrados, Militares, Polícias, Professores, Médicos e Enfermeiros e estes regimes prejudicaram o setor produtivo primário e beneficiou o setor terciário de serviço.

“Hoje não temos engenheiros agrónomos, construção civil, metalomecânico, eletrónico, porque o salário que um engenheiro aufere é de 55 mil e o salário de um servente no hospital é igual o de um arquiteto. A juventude não está galvanizada a formar-se nestas áreas, porque os técnicos destas áreas recebem um salário miserável” disse, afirmando que “se queremos aumentar a produção e a produtividade para financiar o setor de serviço temos que priorizar o setor produtivo. Há muita coisa que devemos discutir abertamente antes de tomarmos qualquer decisão que possa pôr a convulsão social”.

Mesmo assim, Tumane Baldé anunciou que o executivo irá apresentar brevemente, a nova grelha salarial na reunião de conselho de concertação social e lembrou que em termos orçamentais, o governo está disponível a aplicar a grelha, porque está consciente de que os salários que os funcionários recebem são miseráveis.

Tiago Seide

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Secretário Executivo da CPLP em STP

Secretário Executivo da CPLP em STP

Zacarias Nazaré, Secretário Executivo da CPLP, encontrou-se esta segunda-feira, na capital São-Tomense com Ministra dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Edite…
Afeganistão: Aumenta número de cidadãos a passar fome

Afeganistão: Aumenta número de cidadãos a passar fome

O Banco Mundial divulgou uma pesquisa nesta terça-feira, 15 de março, onde se conclui que mais afegãos passam fome desde…
Ucrânia: Presidente admite impossibilidade da adesão à NATO

Ucrânia: Presidente admite impossibilidade da adesão à NATO

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, reconheceu nesta terça-feira, 15 de março, que a Ucrânia não poderá integrar a NATO. Essa…
Timor-Leste: Ruak pede a Lu-Olo exoneração de Oan Soru

Timor-Leste: Ruak pede a Lu-Olo exoneração de Oan Soru

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Taur Matan Ruak, sugeriu ao Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, que exonerasse o Secretário de…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin