Guiné-Bissau: Atitudes ilegais dos Ministérios da Saúde e Educação justificaram medidas drásticas

Escola, Universidade, Educação

A recente decisão dos ministros de Saúde e de Educação de anular os contratos dos técnicos admitidos nos últimos anos, nesses dois sectores, é para manter, porque constitui a única saída para reduzir as despesas públicas.

O Conselho de Ministros depois de ouvir a posição do Ministério das Finanças baseando nas discussões correntes e exigências impostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), decidiu deliberar a suspensão dos contratos e observar rigorosamente a disciplina orçamental.

O Ministério das Finanças avisou o Governo no Conselho de Ministros que, se não for feito, o país não terá Programa com o FMI e consequentemente não poderá ter parceria com qualquer outra instituição financeira. A massa salarial está num plafond muito longe do aprovado para o ano corrente.

A decisão polémica e impopular foi tomada depois do Governo recorrer aos dados e análise da situação financeira para concluir que, a situação tem piorado, devido às ilegalidades que são cometidas nos sectores sociais e atribuídas aos Ministérios da Saúde, Educação e do próprio Ministério da Função Pública.

“Nenhum destes Ministérios (Saúde e Educação) respeitou as regras orçamentais. Há muito que se decidiu que não se pode admitir e contratar. E, segundo a mesma decisão, para se contratar tinham que existir vagas e verbas. Mas a prática mostrou que estes Ministérios fizeram o contrário. Contrataram, admitiram sem qualquer observância das normas existentes”, referiu uma fonte do Ministério das Finanças.

Segundo a mesma fonte, as regras orçamentais ditam que só se deve pagar aquilo que estiver orçamentado. Mas, baseando-se na atitude dos responsáveis, o Governo durante um longo período foi obrigado a pagar o que não orçamentou.

“A previsão orçamental anual na Função Pública entre (salário fixo, transferências e ANP) está em 57,6 biliões Fcfa para o ano 2022. Foi isso que orçamos e que devíamos gastar. Mas, face às atitudes ilegais e irregulares assumidas pelos dois Ministérios com a cumplicidade do Ministério da Função Pública, a previsão passou para 64.6 biliões de Fcfa só para este ano. É impossível. Foi isso que expomos ao Conselho de Ministros e o mesmo tomou decisão. Portanto, não foi o Ministério das Finanças que decidiu. O que aconteceu foi o Governo que decidiu corrigir um erro, para que o país não saísse mais prejudicado”, assegurou.

Para demonstrar que a situação é grave e estava a evoluir para pior, o Ministério das Finanças expôs ao Governo a realidade actual que mostra ser “insuportável e inaceitável” o aumento ocorrido. Por exemplo, segundo os dados do Ministério das Finanças, num ano apenas entraram para a folha salarial mais de 5 mil pessoas. Os mesmos dados apresentados ao Conselho de Ministros antes da tomada da polémica decisão mostram que a massa salarial mensal nesse período saiu de 5.2 biliões de Fcfa para 6.9 biliões actualmente.

“O Governo tinha que tomar alguma decisão. E, a nosso ver, o que aconteceu com os sectores sociais, é apenas a reposição da legalidade”, adiantou a mesma fonte que garante que, todas as exigências fazem parte do pacote das negociações com o FMI. “O ministro das Finanças e a sua delegação deverão deslocar de 10 a 16 de Outubro a Washington onde vão continuar as negociações com o FMI. Não se podia jamais querer teimar a negociar em busca de um programa financeiro, sem no entanto respeitar os critérios das negociações”.

Se a decisão de anular os contratos não fosse tomada, dois destinos já estavam traçados. O Governo ficaria sem capacidade interna para pagar salários aos servidores do Estado e o mesmo não teria programa financeiro com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Neste momento, independentemente da pressão que tem sido feita pelos sindicatos, o Governo deverá manter essa decisão, porque, concluiu, o crescimento da massa salarial ocorreu precisamente nos dois sectores atingidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Goa: Membro da Assembleia Legislativa junta esforços pelo meio ambiente

Goa: Membro da Assembleia Legislativa junta esforços pelo meio ambiente

Sankalp Amonkar, membro da Assembleia Legislativa de Goa, apelou a nove vereadores da Assembleia para se juntarem a ele na…
Angola considerado país "não livre" pela Freedom House

Angola considerado país "não livre" pela Freedom House

Angola está entre os países considerados “não livre” no respeito pelos direitos políticos e liberdades civis, de acordo com a…
Macau: Quase 26 mil não residentes foram contratados nos últimos 12 meses

Macau: Quase 26 mil não residentes foram contratados nos últimos 12 meses

Os dados divulgados, esta semana, pela Direção dos Serviços para os Assuntos Laborais, indicam que as empresas de Macau contrataram…
FMI prevê que economia de Timor-Leste deverá crescer 3,5% em 2024

FMI prevê que economia de Timor-Leste deverá crescer 3,5% em 2024

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia timorense vá crescer 3,5% neste ano de 2024, de acordo com…