Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Baciro Djá ameaça “assaltar” o Palácio da Presidência para tirar Sissoco do poder

O antigo primeiro-ministro e líder da Frente Patriótica para a Salvação Nacional (FREPASNA), Baciro Djá, considerou que o assalto ao poder levado a cabo por Úmaro Sissoco Embaló é “inadmissível em democracia” e exigiu que até ao dia 27 Embaló tem de sair da presidência da República. As ameaças de Baciro Djá foram proferidas este domingo 8 de Março, durante a celebração do segundo aniversário do seu partido.

“É necessário pôr cobro a esta força brutal que assaltou as instituições. É preciso ser coerente, se somos democratas. Se somos mesmo democratas, é preciso respeitar as regras da democracia. O que estamos a assistir é um autêntico golpe de Estado”, disse.

O antigo primeiro-ministro, Baciro Djá foi candidato na primeira volta das eleições presidenciais. Depois de sair derrotado, aliou-se a Domingos Simões Pereira, candidato do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

Na mesma ocasião o líder da FREPASNA ameaçou “assaltar o Palácio da República para retirar o Úmaro Sissoco Embaló do poder”, caso até 27 Março Sissoco não se retirar da presidência. “Ele diz que é General, mas que saiba que a partir de hoje sou Marechal, porque comecei desde infância com os militares. Desempenhei várias funções ligadas aos militares e até fui ministro da Defesa e dos Combatentes da Liberdade da Pátria”, disse Baciro Djá.

Para o antigo primeiro-ministro o povo já não acredita mais nas instituições da República, porque “mesmo se os juízes quiserem fazer justiça não teriam as condições mínimas, nem psicológicas, para poderem exercer de uma forma livre, porque são ameaçados”.

Laurena Carvalho Hamelberg

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo