Guiné-Bissau: Barões lutam pelo afastamento de Nambeia da presidência do PRS

GB Alberto Nambeia PRS

O Vº Congresso Ordinário do Partido de Renovação Social (PRS), previsto para Setembro, será pautado pela luta entre Alberto Nambeia, presidente cessante, e os seus ex-delfins e actuais barões do partido.

Entre os candidatos à liderança do partido está um dos vice-presidentes de Alberto Nambeia e o seu Conselheiro principal, respectivamente, Certório Biote e Domingos Quadé que chegou ao partido devido às suas influências.

Certório Biote, que liderara a bancada parlamentar do partido, entrou em colisão com o Presidente recentemente, por discordar com certas nomeações e alguns procedimentos que o presidente tem adoptado.

Analistas consideram que Alberto Nambeia está desgastado e sem o nível académico e intelectual necessário para fazer face aos desafios do momento. Porém, os mesmos entendem que os dirigentes que apresentam-se como alternativa, não se revelam como igualmente capacitados. Uns participam no reinado de Alberto Nambeia há mais de 14 anos, tal como Certório Biote, pelo que, a serem julgados pelos congressistas não escaparão as críticas, e outros, não obstante serem altos dirigentes não gozam da simpatia dos militantes, consequentemente não podem contar com as bases.

Alberto Nambeia vai entrar neste congresso para disputar o terceiro mandato no partido. No entanto o balanço da sua liderança não é satisfatório. Participou em três eleições como presidente e perdeu ambas. O melhor resultado que conseguiu foi em 2014 reunindo 41 deputados contra 57 do PAIGC na na mesma ocasião. A forma como conduziu o partido está a ser fortemente criticada pelos seus adversários políticos internos.

Artur Sanhá, primeiro Secretário-geral do PRS logo após a sua fundação, disse no dia do lançamento da sua candidatura que o PRS nunca poderá ser um partido que desrespeita as normas democráticas. Para Sanhá não é possível a condução do partido ser totalmente pessoal, em que as decisões são tomadas apenas pelo Presidente.

Uma das maiores críticas apontadas a duas direcções lideradas por Nambeia visa o facto de nunca demarcarem-se de procedimentos que violam normas constitucionais. Por exemplo não se posicionou contra o golpe de 12 de Abril mas também depois de o seu partido ter integrado o Governo Constitucional do PAIGC em 2014, mas depois de José Mário Vaz demitir o mesmo e formar um de iniciativa presidencial, o PRS voltou a integrar o novo governo. Desde 2016, apesar de o PRS nunca ter saído vencedor das eleições, participou em todos os Governo, com excepção de um do PAIGC de Agosto de 2019 a Março de 2020.

Estes são alguns dos temas já em debate na campanha. Porém os militantes do partido interrogam-se sobre o distanciamento face a Nambeia de algumas figuras tais como Mário Fambé, actual ministro das Pescas, que integrou o Governo após indicação de Alberto Nambeia, apesar de ser um dos mais activos na campanha. Na semana passada Fambé esteve nas duas regiões do Leste para apresentar o seu projecto e revelou no acto que o momento é para uma nova geração nova e que o tempo de Alberto Nambeia a frente do PRS esgotou.

Outra figura que será candidato liderança do PRS é Dionísio Cabi, que mantém estreitas relações partidárias e familiares com Nambeia. O ex-presidente do Tribunal de Contas, exonerado há cerca de um mês depois de manifestar a intenção de candidatar-se à chefia dos “Renovadores”, era criticado nos corredores do PRS de contar com o apoio do Presidente da República para concorrer ao cargo. Tendo sido apontado como uma das figuras mais capacitadas para enfrentar Alberto Nambeia, Dionísio Cabi, ainda não se fez ouvir e a sua insípida campanha reflecte falta de motivação real.

Também concorre à liderança do PRS, Augusto Poquena, Secretário-geral do PRS de 2009 a 2012. Contra Poquena, joga o facto estar a liderar o partido quando obteve os piores resultados de sempre nas legislativas.

Os candidatos Mário Fambé, Certório Biote e Dionísio Cabi estão convictos que podem derrotar aquele que qualificam de “desgastado Presidente”, por ter perdido 20 deputados entre a legislatura de 2014 e 2019. O Congresso do PRS não deverá contar com a presença do Secretátrio-Geral cessante, Florentino Mendes Pereira, que, tal como Alberto Nambeia, está no exterior por questões de saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

A Coligação PAI Terra Ranka e o Fórum para a Salvação da Democracia, que congrega MADEM-G15, PRS e APU-PDGB, reuniram…
Moçambique recebe mais USD 60 milhões do FMI

Moçambique recebe mais USD 60 milhões do FMI

Moçambique vai receber 60 milhões de dólares do Fundo Monetário Internacional (FMI), no âmbito do programa de assistência ao país. …
Cabo Verde: CMP trabalha para resolver reivindicações dos trabalhadores

Cabo Verde: CMP trabalha para resolver reivindicações dos trabalhadores

A Câmara Municipal da Praia (CMP) reafirmou o compromisso de resolver as reivindicações dos trabalhadores. No entanto, sublinhou que muitos…
Maláui: Brigada Anticorrupção manda prender oito funcionários da Migração por suspeita de corrupção 

Maláui: Brigada Anticorrupção manda prender oito funcionários da Migração por suspeita de corrupção 

Oito funcionários do Departamento da Migração de Lilongue e mais dois civis foram, esta quinta-feira (11), detidos por suspeita de…