Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Carlos Gomes Júnior começa a campanha na corrida à Presidência

Carlos Gomes Júnior "Cadogo"

O antigo primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, disse, esta quarta-feira, 14 de Agosto, que o desenvolvimento da Guiné-Bissau deve ter como pressuposto essencial a Estabilidade politica e a convivência politica pacifica, sublinhando que o estado a que as crises deixaram o país lhe tocou profundamente como cidadão e patriota.

Na cerimónia oficial do lançamento da sua candidatura a Presidente da República “Pela Unidade, Para a Estabilidade”, Carlos Gomes Júnior disse que o país vive períodos de instabilidade institucional e de desconfiança generalizada entre os seus dirigentes, que resulta uma profunda divisão da sociedade guineense, acreditando que com as enormes potencialidades que o país encerra “podemos, todos juntos, construir uma Nação forte e prospera”.

“Desde logo, as potencialidades que lhe advém da sua multiculturalidade. País de culturas várias, abertas e em diálogo permanente entre si e com o mundo moderno, sempre prontas a acolher no seu seio as correntes que do exterior com elas partilham o modo de conceber a vida e olhar o mundo. Potencialidades como as que resultam da generosidade do seu povo, sempre de braços abertos para acolher todos os que fraternalmente o saúdam, numa dimensão natural que o convívio da luta de libertação quis e soube temperar” disse, sublinhando que a Guiné-Bissau é um país de futuro que reúne todas as condições para se afirmar económica, social e culturalmente na sub-região, em África e no mundo, num prazo relativamente curto.

Por outro lado, “Cadogo” disse que ao ultrapassar regularmente, nos últimos decénios, a taxa de 5% de crescimento do PIB, o país provou que pode crescer a um ritmo mais acelerado, situando-se ao nível dos demais países do continente, caso se cumpram as premissas da Estabilidade e cooperação institucional entre os órgãos de soberania.

“Como se depreende, o segredo está tão só e apenas na Estabilidade política e social do país. E é esta Estabilidade o principal motivo da minha candidatura, para assim, mostrar ao mundo de que a Guiné-Bissau é uma Nação em processo dinâmico de integração, com uma riquíssima história, forjada na resistência secular de um povo que nunca se deixou subjugar e na exaltante luta armada de libertação nacional”. Carlos Gomes Júnior disse que será a sua missão promover uma cultura de paz, de diálogo permanente, assente no respeito e consideração pelo próximo, qualquer que seja a sua origem, sexo, condição económica ou social.

“Empenhar-me-ei na promoção de uma cultura de verdade, que saiba compreender e perdoar os erros do passado, uma cultura que priorize a justiça, a responsabilidade social, a legitimidade institucional, a tolerância, a solidariedade e a equidade” insistiu.

Se for eleito Presidente da Republica, Gomes Júnior disse que “será lutador incansável” pela promoção da unidade nacional, pelo diálogo e compreensão entre os guineenses em todos os quadrantes, seja no quadro do diálogo institucional com os demais órgãos de soberania, com os partidos políticos, com as instituições militares no quadro do presidente da República, enquanto comandante supremo das Forças Armadas, com a sociedade civil, com o sector privado, com as instituições religiosas, os estudantes, jovens e mulheres. Neste particular, garantiu tudo fazer para que a conferência nacional “Caminhos para a consolidação da paz e Desenvolvimento” seja assumido como um compromisso de gerações, capaz de catapultar os guineenses na senda da fraternidade, amor e comprometimento, fazendo do país um espaço social de coabitação pacífica entre todos os guineenses.

Tiago Seide

© e-Global Notícias em Português
1 Comentário

1 Comentário

  1. Melo fernandes

    14/08/2019 at 18:38

    Nâo te queremos, es um desgraçado aparte de velho, vai buscar a vida como todos!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo