Guiné-Bissau: Coligação volta a tremer, MADEM ameaça sair

A Juventude e Quadros do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15) vai anunciar este fim-de-semana a decisão desta formação política de abandonar, ou não, a coligação que suporta o Governo de Nuno Gomes Nabiam.

Em torno desta decisão estão as exonerações levadas a cabo na Direcção-Geral de Contribuições e Impostos (DGCI) pelo filho do ministro das Finanças, João Aladje Fadiá e a decisão do ministro de não nomear um militante do MADEM naquela Direcção-Geral.

A agravar ainda mais o ambiente, no Conselho de Ministros de 27 de Maio, o partido viu ser exonerado como Director-Geral da Imprensa Nacional, o Coordenador dos Quadros do MADEM-G15, Bamba Banjai. A situação aumentou o nível desagrado com a remodelação governamental ocorrida em Abril que justificou uma reunião a 27 de Maio de uma delegação dos Quadros no Gabinete do Coordenador do partido Braima Camará, em que a situação governativa foi tema principal em análise.

Depois de várias horas de discussão, Braima Camará foi pressionado a dar o aval à Juventude e aos Quadros do partido para organizarem uma Conferência de Imprensa em que será anunciada o possível abandono da coligação.

A e-Global soube junto de fontes do partido que, a decisão é para muitos militantes e dirigentes “irreversível”, tendo em conta que o partido tem sido fortemente prejudicado nesta coligação governativa. Porque, apesar de ser a força quem tem enfrentado o PAIGC no campo político, o MADEM considera-se como único prejudicado desde formação do Governo. Um dos exemplos com que Braima Camará foi confrontado no encontro desta quinta-feira 27 de Maio, foi o facto de na última remodelação governamental o partido perder pastas importantes.

“Mas não são apenas estes os motivos. O ministro das Fianças, Aladje Fadiá recusou nomear um dirigente do MADEM na DGCI. Isto é do conhecimento público. Nos últimos tempos, o seu filho exonerou quase todas as figuras ligadas ao MADEM na DGCI e nomeou gente estranha ao partido. Não podemos continuar nessa situação. Melhor é deixarmos a coligação”, disse um dirigente da JUADEM.

Para além da DGCI, existem também problemas com quadros do MADEM noutros Ministérios. Por exemplo, na Comunicação Social, Fernando Mendonça, um próximo a Carlos Gomes Jr., assumiu a função de Ministro numa pasta que pertencia o MADEM como Secretaria de Estado. Esta nomeação foi encarada como uma atitude de “desprezo” ao MADEM, sendo agravada agora com a exoneração do Coordenador dos Quatros do partido, Bamba Banjai que era Director-Geral de Imprensa Nacional (INACEP), desde que o actual Governo assumiu funções em Março de 2020.

“Temos ainda informações que o novo ministro do Turismo, Nando Vaz, está a ponderar a substituição dos Quadros do MADEM naquele pelouro. Tudo isso não pode acontecer no partido com mais peso na coligação. Preferível é sair, e podem acreditar que o Coordenador, Braima Camará concorda. O MADEM vai sair da coligação”, assegurou a nossa fonte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: FDS prendem líder terrorista tanzaniano

Moçambique: FDS prendem líder terrorista tanzaniano

As Forças de Defesa e Segurança (FDS) de Moçambique capturaram um dos líderes terroristas em Nangade, na província de Cabo…
Timor-Leste: 138 portugueses votaram antecipadamente em Díli

Timor-Leste: 138 portugueses votaram antecipadamente em Díli

As eleições legislativas de Portugal estão marcadas para 30 de janeiro. Em Timor-Leste já votaram, antecipadamente, 138 portugueses. “Votaram um…
Revista de Imprensa Lusófona de 18 de janeiro de 2022

Revista de Imprensa Lusófona de 18 de janeiro de 2022

Na Guiné-Bissau “O Democrata” escreve “Em carta aberta: Dirigentes do PAIGC criticam a liderança de Simões Pereira que leva o…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin