Guiné-Bissau: Confederação Geral dos Sindicatos Independentes distancia-se da greve geral

A Confederação Geral dos Sindicatos Independentes da Guiné-Bissau (CGSI-GB) recomendou aos seus associados para não aderirem à greve geral convocada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG), embora reconheça alguns “incumprimentos do governo”.

Em comunicado, a central sindical vinca que o governo de Nuno Nabiam “não cumpriu com algumas das exigências que figuram do Memorando do Entendimento e na Adenda, assinados com o executivo”.

A CGSI destaca a “não regularização” da situação de admissão do pessoal na administração pública, a não efectivação das promoções do Conselho Superior da Magistraturas Judicial, a não devolução do dinheiro da grelha salarial diferenciada de salários de professores e a “falta de actualizações de salários e pensões”.

A Confederação Geral dos Sindicatos Independentes refere também a falta de pagamentos dos contratados da Comunicação Social, Instituto Marítimo e Portuário (IMP), Serviço de Assistência Aeroportuária e a “não implementação” de vários diplomas que regulamentam as relações do trabalho na Administração Pública e no Setor Privado.

Mas destacou o cumprimento por parte do governo, de vários pontos: “Regulamentação de diferentes categorias de professores, aplicação progressiva da aplicação do Estatuto de Carreira Docente, uniformização da letra de vencimento aos professores formados em todas as escolas de formação”, destaca a nota que a e-Global teve acesso.

Outros “ganhos” são a “aprovação em Conselho de Ministros da Lei Orgânica das Secretarias Judiciais e Privativo do Ministério Público, funcionamento do Conselho dos Oficiais da Justiça, ainda que em fase de finalização o Estatuto Remuneratório dos Oficiais de Justiça”, reconhece.

Foram ainda cumpridos “o pagamento de um dos três meses de salários aos trabalhadores da Guinétel e Guiné Telecom, a aprovação em Conselho de Ministros o dossier de venda das acções destas empresas”.

Por isso, a CGSI pediu os sindicatos filiais a não aderirem à greve convocada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné, que deverá decorrer de 09 a 13 de Novembro 2020.

One Comment

  1. […] „Con­fe­der­a­ção Geral dos Sin­di­ca­tos Inde­pen­den­tes distancia-se da gre­ve ger… berich­tet von der Erklä­rung des Gewerk­schafts­bun­des CGSI man rufe dazu auf, sich nicht an dem Streik im öffent­li­chen Dienst zu betei­li­gen. Begrün­dung: Zwar sei in der Tat eini­ges von dem getrof­fe­nen Abkom­men nicht rea­li­siert, aber eben eini­ges doch – und die Regie­rung zei­ge ja guten Wil­len… […]

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Moçambique: Dirigentes públicos sofrem diminuição de salário

Moçambique: Dirigentes públicos sofrem diminuição de salário

Os suplementos dos salários dos dirigentes públicos vão ser reduzidos, no quadro da Tabela Salarial Única (TSU). O objetivo consiste…
Cabo Verde: PAICV diz que povo é condicionado pela criminalidade na Praia

Cabo Verde: PAICV diz que povo é condicionado pela criminalidade na Praia

A deputada Adélcia Almeida, do PAICV, partilhou nesta terça-feira, 10 de janeiro, que o partido verificou no terreno que a população…
Angola: UNITA pede autárquicas e MPLA pede-lhe colaboração

Angola: UNITA pede autárquicas e MPLA pede-lhe colaboração

O secretário provincial da UNITA em Luanda, Nelito Ekuikui, desafiou o Presidente da República de Angola, João Lourenço, a cumprir…
Cabo Verde: UCID teme manifestações internacionais

Cabo Verde: UCID teme manifestações internacionais

O líder da UCID, João Santos Luís, considera importante o “país proteger as instituições democráticas, para se livrar das manifestações…