Guiné-Bissau: Coordenador do MADEM garante que jamais será um “yes man”

GB Madem Braima Camara

Esta segunda-feira, 9 de Agosto, durante uma homenagem promovida pelos quadros do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM) para assinalarem o aniversário do Coordenador do partido, comemorado a 3 de Agosto, Braima Camará lembrou que o MADEM foi criado para promover os valores da democracia, paz e liberdade, pelo que jamais compactuaria com qualquer ditadura.

Braima Camará vincou que nas relações com todos os presidentes com os quais trabalhou sempre deu a sua opinião, e que jamais aceitaria ser um “yes man”.

Fazendo alusão à data do seu aniversário, Braima Camará lembrou que nasceu no dia da liberdade do homem guineense (3 de Agosto) e quando os homens “disseram não” a tudo que não é bom, incluindo a ditadura, e ele enquanto continuador dessas obras vai continuar a luta.

“A minha vida tem sido de reflexão, mas sem quadros, posso afirmar que não sou ninguém. Esse vosso gesto é uma prisão de luta para mim. Vou continuar a pensar, a lutar e a promover união, porque o meu desejo é a paz, estabilidade e entendimento. Quero a verdadeira democracia e quero que os quadros compreendam que a minha vida é sempre estar ao lado de projectos e de ideias. Ao lado dos injustiçados e dos sem voz. Como político, estou a vossa disposição para ser orientado”, referiu.

Camará disse que o partido cresceu e tornou-se num projecto transversal, por isso não podem recuar nessa luta, muito menos ceder. “Dizia-se que, a revolução mata os revolucionários. Todo o revolucionário não chega ao fim da revolução. Isso faz parte do passado. Hoje estamos num mundo contemporâneo, um mundo de democracia. Sou defensor desses valores sem cor. O povo não pode frustrar as suas expectativas à volta do nosso partido. Enquanto continuar a merecer confiança, não vamos reagir às provocações, calúnias e difamação, e jamais permitiremos ditadura, venha de onde vier”, reforçou Braima Camará.

Para o Coordenador do MADEM os guineenses não podem ser afrontados, nem ameaçados, porque não foi isso que o seu partido prometeu. “Se os quadros não me acompanharem na promoção dos valores democráticos e humanistas, lamento. Fico sozinho, mas não alinho com as ditaduras”, insistiu.

Considerando o aparecimento do MADEM como uma revolução histórica e a sua liderança uma oportunidade, o Coordenador do MADEM lembrou que prometeram acabar com todos os valores antidemocráticos. “Se temos oportunidade, não podemos mudar o nosso discurso, porque o povo nos deu oportunidade”.

Braima Camará garantiu que nunca discute com um Chefe de Estado. “Com Malam Bacai, vocês ouviram o seu discurso. Com o Mário Vaz, quando lhe dei a minha melhor opinião e ele não aceitou, afastei-me. E não me ouviram. Agora, o que posso garantir é que jamais serei um yes man”, disse.

Braima Camará prometeu que vai continuar a ponderar sobre a unidade interna no MADEM e juntar todos os guineenses. “Para mim falar do tribalismo é fraqueza, para não considerar ignorante. Quando eu começar a falar sobre isso, sou o maior ignorante”, defendeu, para alertar que o MADEM só poderá ser partido de sociedade quando acreditar nesses valores.

Afirmou ser democrata de gema e de convicção, pelo que jamais irá aceitar aqueles que atentam contra o Estado de Direito. Sem uma única vez pronunciar o nome do Presidente da República, Braima Camará assegurou que, a melhor direcção que todos os militantes têm é estar ao lado do partido de forma a prosseguir os valores anunciados na sua criação, e não ir atrás de figuras.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Portugal vê Cabo Verde como um exemplo para transição energética

Portugal vê Cabo Verde como um exemplo para transição energética

O diretor de Energia e Geologia de Portugal, Jerónimo Cunha, considera que Cabo Verde, apesar de ser um país pequeno,…
Timor-Leste: Xanana pede a jovens que deixem as artes marciais

Timor-Leste: Xanana pede a jovens que deixem as artes marciais

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, apelou aos jovens timorenses residentes no país e na diáspora para deixarem de praticar…
Missão do CCISP intensifica a cooperação entre Portugal e Timor no ensino superior, investigação e ciência

Missão do CCISP intensifica a cooperação entre Portugal e Timor no ensino superior, investigação e ciência

A iniciativa de promoção externa contou com a presença de representantes de onze instituições portuguesas de ensino superior politécnico. A…
Nigéria: Dois anos depois, o massacre na Igreja de Owo continua impune, sem ninguém ter sido acusado

Nigéria: Dois anos depois, o massacre na Igreja de Owo continua impune, sem ninguém ter sido acusado

Pelo menos 41 cristãos foram mortos num ataque na Igreja de São Francisco de Xavier, em Owo, no sudeste da…