Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: “Estado de Emergência é uma perda de tempo”, diz Cristóvão Mango

A Guiné-Bissau está na quarta edição do estado de Emergência decretado pelo Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, mas que não está a dar nenhum efeito positivo, defendeu Cristóvão Mango, especialista em comunicação que tem levado a cabo iniciativas de sensibilização junto do governo.

Cristóvão Mango defende uma abordagem diferente e a adopção de novas estratégias no combate à pandemia Covid-19 e considera que o estado de Emergência não é a melhor opção.

“Esta é quarta vez, mas não há efeitos, a única forma de combater o vírus é conviver com ele, porque desta forma não vai acabar, pode até durar mais de 6 meses, temos de mudar estratégia, profissionais devem sentar pensar em como atacar de outras formas, o estado de Emergência não vai resolver nada, isto é uma perda de tempo”, explicou

Para Cristóvão Mango as entidades competentes devem juntar “sociólogos, médicos, economistas, comunicadores para fazer face a este problema, porque cada país no mundo encontra as soluções mais coerentes com a sua realidade”, defendeu Mango.

“Estas acções podem ser elaboradas em alguns dias”, todavia o mais relevante para Cristóvão Mango é existir um centro de acções e coordenação de todos os intervenientes na luta contra Covid-19

O número de infectados na Guiné-Bissau tem subido de uma forma dramática, tendo sido identificadas 1109 pessoas infectadas até 21 de Maio, 6 pessoas morreram devido ao Covid-19 e 42 recuperaram.

Laurena Carvalho Hamelberg

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo