Guiné-Bissau: Governo admite possibilidade de adiar eleições legislativas

O Ministro da Administração Territorial admitiu a possibilidade do adiamento das eleições legislativas marcadas para 18 de Dezembro do ano em curso.

Fernando Gomes falava esta quarta-feira, 12 de Outubro, após um encontro com os partidos políticos com e sem assentos parlamentar que, também, segundo disse consideraram “difícil” a realização de eleições na data prevista.

“Entendemos hoje convocar os partidos políticos para juntos nos debruçarmos sobre o processo eleitoral. As ideias e as opiniões foram quase unânimes em como será difícil realizar eleições a 18 de Dezembro”, precisou o Ministro da Administração Territorial e Poder Local.

Fernando Gomes explicou, por outro lado, que “as razões que estiveram na origem do atraso no início do processo eleitoral é porque os partidos exigiram um recenseamento eleitoral de “raiz” com a entrega dos cartões do eleitor no acto do recenseamento, facto que obrigou a aquisição de impressoras específicas, que só chegaram ao país na segunda quinzena de Setembro.

“Os problemas de acessibilidade a algumas zonas do país, devido à época das chuvas; a sensibilidade dos materiais que não podem ser molhados e o facto de no interior do país muitas pessoas estarem nesta época nos campos agrícolas, foram outras razões que pendem sobre a possibilidade do adiamento das eleições”, referiu Gomes.

Em reacção às declarações do Ministro da Administração Territorial, Armindo Handem, Secretário Permanente da União para a Mudança (UM) apontou uma jogada estratégica do Governo para assumir a responsabilidade sobre o adiamento do escrutínio. “O Governo trouxe-nos a preocupação e os condicionalismos existentes para a realização do recenseamento. Parece-me que o Governo quis descartar a responsabilidade de propor ao Presidente a mudança da data, porque está claro que a data de 18 de Dezembro é impraticável”, disse Handem.

Por sua vez, o Secretário-geral do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Ali Hijazy, responsabilizou o Governo pela situação. “Quando foi marcada esta data, se o Governo cumprisse as suas obrigações em conformidade com as leis, era possível realizar a eleição no dia 18 de Dezembro. Infelizmente e até este momento ainda falta muita coisa para fazer, por exemplo, um caderno de actividades”, sublinhou.

O Ministro da Administração Territorial e Poder Local, Fernando Gomes, garantiu que vai agora apresentar um novo cronograma ao Governo, antes de apresentar o Presidente da República uma nova data para as eleições.

(foto arquivo)

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné Equatorial: Vice-presidente acusa Espanha de "humilhar" o país

Guiné Equatorial: Vice-presidente acusa Espanha de "humilhar" o país

O vice-presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Nguema Obiang, acusa a Espanha de “humilhar” e “desacreditar” o país depois de a…
Moçambique: Operação "Vulcão IV" decorre no distrito de Macomia

Moçambique: Operação "Vulcão IV" decorre no distrito de Macomia

As Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) informaram nesta terça-feira, 03 de janeiro, que está em curso a Operação…
Timor-Leste: Taxa de execução do OGE 2022 foi de 78,75%

Timor-Leste: Taxa de execução do OGE 2022 foi de 78,75%

O Governo de Timor-Leste executou em 2022 cerca de 78,75% do valor total do Orçamento Geral do Estado (OGE) desse…
Moçambique: Atraso de salários gera greve no município de Nacala

Moçambique: Atraso de salários gera greve no município de Nacala

Mais de setecentos funcionários e agentes do Estado afetos ao Conselho autárquico de Nacala, na província de Nampula, encontram-se em…